Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos

Esta casa não é um móvel do IKEA, mas também é fácil de montar

Os manuais de instruções da marca de mobiliário sueco são conhecidos pela simplicidade e eficácia das indicações. O arquitecto português Tiago do Vale pensou em aplicar essa técnica à projecção e construção de um edifício no Brasil.

Montar uma estante do IKEA é simples. Retiram-se as peças das caixas, preparam-se as ferramentas e basta seguir as instruções. E se construir casas fosse igual? No Nordeste do Brasil, Tiago do Vale desenhou um manual e prepara-se para montar a Ånguera, passo a passo, com as várias peças que a região oferece.

Em conversa telefónica com o P3, o arquitecto português de 40 anos, autor do premiado projecto Espigueiro-Pombal do Cruzeiro​, fala de uma necessidade do local. Antes de iniciar o projecto, a equipa começou inicialmente por “compreender as circunstâncias e condicionantes” em Anguera, cidade da região brasileira de Sertão: “Havia uma limitação muito grande em termos de materiais disponíveis, quer na quantidade, quer na variedade, e também uma mão-de-obra que não estava habituada a ler projectos de arquitectura”, descreve Tiago. Nos planos, as plantas e os cortes apresentam um “grau de detalhe” que acaba por ser “difícil de interpretar”.

Desse modo, o arquitecto procurou uma maneira “mais fácil de comunicar a leigos”, nomeadamente através da perspectiva. A criação deste “manual de instruções tipo IKEA” foi “um grande desafio” porque, neste caso, “rapidamente” percebeu que a comunicação iria dar forma a toda a concepção do projecto: “Tudo o que fizéssemos tinha que ser muito simples de explicar, tinha que ser executado em poucos passos, tinha que ser descrito em poucas páginas.” As ferramentas utilizadas, os métodos e as técnicas de construção estavam dependentes “da capacidade de representar de forma simples”. “Processo, projecto, comunicação tornaram-se tudo na mesma coisa.”

PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
PÚBLICO - Imagem 3D do edifício construído
Imagem 3D do edifício construído Tiago do Vale Arquitectos
Fotogaleria
Tiago do Vale Arquitectos

A interacção entre os recursos locais e os planos veiculados no manual ditou o carácter simples e pragmático do projecto Ånguera. “Havia uma motivação de construir de forma simples, mas os materiais disponíveis também sugerem uma construção simples.” Os blocos de cimento ou o cobogó – tijolo ventilado muito comum no Brasil – serão os mais utilizados, também por questões de adaptação ao clima local: “A casa deverá ter uma baixa inércia térmica [pouca massa] para não acumular o calor que faz durante o dia e poder arrefecer rapidamente.” O “levantamento simples” de paredes de bloco sobre bloco, “meramente” pintadas e sem outro acabamento, e o traço geométrico da casa também marcam a simplicidade do projecto.

As instruções similares às utilizadas pela marca sueca acabaram por ser, assim, o “fio condutor” de toda a projecção. “Retirou-nos muitas dúvidas e hesitações, limitou muitas opções e acabou por simplificar o processo também”, diz o arquitecto. Sintetizar a informação, resumir um “processo complexo a um ou dois desenhos”, foi laborioso, mas Tiago acredita que poderá vir a ser útil noutros projectos, em circunstâncias semelhantes. “Com uma mão-de-obra menos habituada a ler projectos de arquitectura, onde haja limitações na quantidade ou variedade de materiais, uma abordagem de comunicação deste tipo simplifica todo o desenvolvimento da obra.”

A casa, a construir em Anguera, deverá estar pronta em 2020. O edifício irá aproveitar grande parte da estrutura de uma construção preexistente. O piso térreo será aproveitado para comércio, enquanto o primeiro andar, que terá três quartos, se destina a habitação.