Ampolas: quando a beleza está num frasquinho de vidro

Depois das ampolas capilares é a vez de as marcas apostarem neste recipiente para formulações cosméticas.

Fotogaleria
DR
Fotogaleria
LABORATÓRIOS BABÉ, Vitamin C, 10 unidades (14,50 euros).jpg
,ISDIN
Fotogaleria
Isdin, Isdinceutics Pigment Expert, 10 unidades (23,10 euros)
,MartiDerm
Fotogaleria
MARTIDERM, EPIGENCE OPTIMA SPF 50+, 30 UNIDADES (85,21 euros).jpg
Ampola
Fotogaleria
Rituals, Hydrating Ampoule Boosters, 7 unidades (19,90 euros)
Fotogaleria
SENSILIS, SKIN DELIGHT AMPOLAS VITAMINA C, 15 unidades (31.63 euros)
Fotogaleria
Skeyndor, diferentes ampolas para várias especificidades da pele
Fotogaleria
LABORATÓRIOS BABÉ, Bicalm, 10 unidades (14,50 euros).jpg
,ISDIN
Fotogaleria
Isdin, Night Peel, 10 unidades (19,90 euros)
,MartiDerm
Fotogaleria
MARTIDERM, SKIN COMPLEX, 30 undiades (77,45 euros)
,Rituais
Fotogaleria
Rituals, Firming Ampoule Boosters, 7 unidades (19,90 euros)
Fotogaleria
Skeyndor, POWER C concentrado de vitamina C pura, 14 unidades (29 euros).jpg
Fotogaleria
Skeyndor, Uniqcure, Concentrado corrector de Manchas, 7 unidades, (40,68 euros)

À pergunta de como é que se estava a dar com as ampolas, a cliente de Carolina respondeu-lhe que eram muito amargas. A profissional de estética não queria acreditar e sentiu alguma culpa: devia ter explicado melhor que estas não eram bebíveis, mas para espalhar na pele. São cada vez mais as marcas de cosméticos que estão a optar por esta embalagem de vidro para fórmulas mais concentrados e com efeitos mais imediatos.

Até há pouco tempo, as ampolas mais comuns eram as capilares, para a queda do cabelo. Agora, as que os vários laboratórios apresentam não são muito diferentes, também são de vidro, vêm em caixas de cartão, enfileiradas em embalagens plásticas, e é preciso cuidado ao parti-las ou, no caso da Martiderm ou da Sensilis têm um easy open, ou seja, um pequeno mecanismo adequado para abrir. Depois, algumas, têm um aplicador em plástico que ajuda a espalhar o concentrado na pele. 

Mas por que são usadas as ampolas, em vez dos boiões de vidro ou as bisnagas? “Este formato é ideal para manter a eficácia de cada um dos activos da fórmula, como tem 2 ml, o produto é ultra concentrado”, resumem os Laboratórios Babé em resposta ao PÚBLICO. Por exemplo, “a vitamina C é muito instável quando exposta à luz e propensa à oxidação quando exposta ao ar”, justificam os Laboratórios Martiderm que usam vidro opaco. 

Também a Sensilis escolheu o vidro opaco para “proteger da luz e garantir a eficácia” do produto, mas avança com outras razões: muitas vezes os consumidores têm dúvidas sobre que quantidade de produto aplicar, com a ampola já sabe. Contudo, nem sempre é assim, tanto as da Babé como as da Isdin e da Martiderm podem ser usadas mais do que uma vez, por exemplo, de manhã e à noite ou até 48 horas, em alguns casos. “Por se tratar de um produto tão exclusivo e concentrado, o mesmo é apresentado numa ampola de vidro que, além de contribuir para a estabilidade da fórmula, é também símbolo de simplicidade (em termos de packaging) e elegância”, resume a Rituals por e-mail.

Este é um mercado que está a crescer, pelo menos em Espanha, para Portugal não há dados, diz o Infarmed, mas no país vizinho tem um valor de 39 milhões de euros com um crescimento de 21%, informa a Sensilis. Por isso, os laboratórios estão apostados no mesmo, reforça. “Para a marca lançar ampolas é uma maneira diferente de delinear um tratamento e de fazer uma rotina mais completa que pode proporcionar melhores resultados”, continua a espanhola, para a qual esta é também uma forma de conquistar novas consumidoras, acrescenta.

Preços e plástico

E o que vem dentro das ampolas? Há ingredientes para todas as especificidades da pele. A Skeyndor tem toda uma gama de “concentrados únicos de alta tecnologia” para fazer, por exemplo, um peeling, ou para iluminar a pele, mas também tem outros produtos com efeito calmante ou contra a flacidez. Também a Babé oferece ampolas com efeito calmante ou iluminador da pele. 

Já não basta combater as rugas ou as manchas cutâneas, cada vez mais os laboratórios procuram responder a questões actuais como os efeitos da poluição, as consequências do uso da luz dos ecrãs ou os raios UVA e UVB, como é o caso das novas gamas das ampolas da Martiderm ou da Isdin – apresentadas já este ano – que têm como objectivo proteger e reparar a pele dessas agressões.

Umas devem ser aplicadas sete dias consecutivos, como as da Rituals ou da Skeyndor; outras podem ser usadas diariamente, como as da Martiderm ou da Isdin, sendo mais um passo na rotina de beleza diária, recomendam os laboratórios, por exemplo, depois de fazer a limpeza da pele e antes de aplicar a maquilhagem; ou à noite, antes de deitar. Portanto, não são bebíveis, mas servem para aplicar no rosto, pescoço e zona do decote

À excepção da Babé, que comercializa uma caixa de dez unidades a 14,50 euros e uma de duas a 3,50 euros; as outras marcas vendem estes produtos a preços entre os 30 e os 80 euros. A maior parte está à venda nas farmácias. É a investigação em laboratório e os compostos activos que contribuem para definir o preço e não a embalagem, dizem as marcas. “O produto não fica mais caro em formato de ampola”, garante a Sensilis, corroborada pela Martiderm.

Do ponto de vista do consumidor, se o vidro é mais consensual, o plástico pode ser um entrave para o uso destes produtos. A Rituals defende que a “responsabilidade social e ecológica” é uma das suas preocupações. Por seu lado, a Martiderm responde o aplicador é de plástico reciclável, logo, “isso não deve ser encarado como um problema”, já a Sensilis espera que quem usa a ampola ponha o vidro e o plástico no ecoponto respectivo. “A questão do plástico e do meio ambiente está sobretudo relacionada com o mau uso das coisas”, conclui o laboratório.