Mulheres à obra: O empreendedorismo pela voz da “mulher comum”

Camila Rodrigues e Carla Lopes querem mostrar a todas as mulheres que, juntas, podem vencer os entraves ao empreendedorismo feminino.

Foto
Carla Lopes é tradutora e Camila Rodrigues é socióloga DR

De um grupo criado no Facebook nasceu uma comunidade de diálogo e partilha no feminino. Mulheres à Obra começou em 2017 como um grupo naquela rede social, mas acabou por se transformar num movimento que pretende dar voz a todas as mulheres que tenham interesse em criar o seu próprio negócio ou partilhar a sua experiência, seja ela num micro ou num macro projecto. Agora é um livro que é lançado nesta terça-feira, em Lisboa.

PÚBLICO -
Foto
A apresentação terá lugar esta terça-feira, às 18h30, no El Corte Inglês, em Lisboa

Entre os quase 83 mil membros que o grupo tem actualmente, encontram-se as suas criadoras e autoras do livro, Camila Rodrigues e Carla Lopes, socióloga e tradutora, respectivamente. Ao PÚBLICO, Camila Rodrigues fala sobre o crescimento do projecto, sobre os entraves ao empreendedorismo feminino, e sobre a noção de empreendedor. “Nós somos muitas coisas. Somos uma marca registada. Somos um movimento social. Essencialmente, somos uma plataforma colaborativa de mulheres empreendedoras”, resume. Mulheres à Obra pretende criar um “espírito de cooperação, num contexto de grande concorrência. Tentar que as pessoas percebam que cooperando podem ir mais longe”, continua.

O grupo Mulheres à Obra nasceu de um outro grupo no Facebook chamado For Moms (Para Mães). Uma publicação sobre a dificuldade em conciliar a vida familiar com a vida laboral motivou Camila e Carla, que até então não se conheciam, a criar o grupo Mães à Obra que se destinava à temática do empreendedorismo feminino, muito ligado à dificuldade em conciliar o ritmo de trabalho e as exigências familiares.

De acordo com Camila Rodrigues, o grupo foi crescendo de forma “absolutamente assombrosa” e decidiram alterar o nome para Mulheres à Obra, de forma a incluir todas as mulheres com “olho” para o negócio. Depois do Facebook, criaram uma página na mesma rede social, um portal e uma revista digital. Mulheres à Obra é também um programa de rádio e uma conferência anual – “As Vozes do Empreendedorismo Feminino”. Agora, surge o livro.

Este reúne um conjunto de dicas, histórias de mulheres de sucesso nas mais variadas áreas e convida as leitoras a pensar sobre os seus próprios projectos, sendo-lhes dado o desafio de escrever no “Diário de bordo da empreendedora”: um segmento do livro onde quem o lê pode desenhar o seu projecto, apontando os sucessos mas também os fracassos. “É suposto que o livro seja um diálogo com a leitora, não uma relação unilateral passiva. É suposto que a leitora preencha, que mais tarde volte a ler, que apague, que volte a preencher, que altere coisas, que reveja…”, enumera Camila Rodrigues.

As autoras apostaram no critério da diversidade para seleccionar os testemunhos incluídos no livro que são histórias de mulheres “com idades diferentes, em fases diferentes do seu processo de empreendedorismo e que trabalham em áreas muito diferentes”, explica Camila.

Para autora, ainda há muitos entraves ao empreendedorismo feminino e, principalmente, “à manifestação da voz da mulher e do homem comum”. Segundo a mesma, da aposta política no empreendedorismo surge um conjunto de iniciativas “muito distanciadas da realidade da mulher comum”. “As mulheres muito conhecidas, já com provas dadas e directoras de grandes empresas é que são geralmente chamadas para dar a cara neste contexto. Elas têm uma experiência que é dificilmente replicável à mulher comum, que somos nós todas”, justifica. O esforço das duas autoras surge no sentido de dar voz a essas mulheres.

Outro propósito do projecto é desmistificar a definição de empreendedor. “A noção de que o empreendedor bem-sucedido está ligado a quem ganha milhões, é uma visão muito redutora do empreendedorismo”, considera Camila Rodrigues. Nas Mulheres à obra, “a medida de sucesso é que a pessoa tenha satisfação pelo que faça, que consiga ser economicamente sustentável e consiga conciliar com outros aspectos da sua vida”, clarifica Camila Rodrigues.

Para terminar, a empreendedora deixa uma dica a todas mulheres que querem começar um negócio próprio: “As vendas são a cenoura. O nosso conselho é que as pessoas olhem além da cenoura – é importante passar além das vendas. Estejam na comunidade, dêem tempo, não sejam agressivas nas abordagens de vendas e criem valor.”