Teoria dos jogos pode contribuir para salvar milhares de sobreiros e azinheiras

A passagem das culturas de sequeiro para o regadio pôs em risco milhares de árvores com elevado estatuto de conservação que são abatidas por se encontrarem isoladas.

Sobreiros cintados para abate
Fotogaleria
Sobreiros cintados para abate
Sobreiros cintados para abate
Fotogaleria
Sobreiros cintados para abate
Sobreiros cintados para abate
Fotogaleria
Sobreiros cintados para abate
Fotogaleria
Árvores abatidas
Fotogaleria
Árvores abatidas

Quando a legislação em vigor não assegura a protecção dos exemplares do sobreiro e da azinheira isolados na planície e nas novas zonas de rega, a solução para travar o seu abate sistemático pode estar na teoria dos jogos. Como? Ponderando entre o que as explorações perdem quando não cortam uma árvore isolada com o que se ganha quando se mantém esse espécime de pé. Nem sempre ganha um, mas também nem sempre ganha o outro. É uma questão de equilíbrio e bom senso. Os investigadores acreditam, assim, que esta teoria, com aplicação na economia, biologia, relações sociais, ciência política, ciência militar, ética, filosofia ou jornalismo, pode vir a ter um importante papel na salvaguarda das espécies autóctones.

O sobreiro e a azinheira ocupam, respectivamente, 736.000 hectares e 465.000 hectares a nível nacional mas, apesar de a legislação em vigor lhes garantir um elevado estatuto de conservação, de pouco serve quando as árvores se encontram isoladas e somam menos de 50 exemplares por hectare. É o que tem acontecido às árvores que não integram povoamentos. A imagem característica que se tem do Alentejo - um “chaparro” isolado no meio da planície - está a desaparecer para dar lugar aos grandes povoamentos de culturas intensivas e super-intensivas.

“Estamos na presença de interesses em conflito: o interesse do ponto de vista biofísico e ambiental em conservar as árvores e o interesse produtivista que se propõe cortar todas as árvores”, explicou Inocêncio Seita Coelho, investigador no Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), no debate que decorreu em Alvito a 9 de Abril sobre “O Regadio na Transformação da Paisagem no Alentejo - Riscos e Oportunidades”.

Referia-se às árvores que se encontram isoladas. Para além do simbolismo, os exemplares destas espécies autóctones “são uma imagem de marca, identificadora da região” e um elemento necessário para o “bem-estar animal no Verão (os rebanhos procuravam a sua sombra nas horas de maior calor) e abrigo para poiso e reprodução de morcegos”, enumerou o investigador.

A legislação em vigor não assegura a manutenção das árvores isoladas e permite que os proprietários das explorações solicitem o seu abate, alegando que causam transtorno à actividade agrícola. E a maioria dos arranques ou cortes que se verificam têm como justificação a instalação de culturas intensivas e super-intensivas (olival, amendoal, e outras árvores de fruto).​ Desta forma, a floresta autóctone vai desaparecendo, se juntarmos a estes cortes as mortes causadas por doenças, alterações climáticas e, sobretudo, os abates à margem da lei.

As denúncias sobre o corte ou arranque de sobreiros, mas sobretudo de azinheiras, sucedem-se nas redes sociais, no SEPNA (Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente da GNR) e no Ministério da Agricultura. Progressivamente, estas vão desaparecendo apesar de ser obrigatório a apresentação de um pedido junto dos serviços do Ministério da Agricultura para que se possa proceder ao abate de árvores isoladas.

Seita Coelho reconhece que os proprietários que substituíram o sequeiro pelo regadio de novas culturas “têm interesse em aumentar a rentabilidade das suas produções”. Estes alegam que no lugar de um sobreiro ou de uma azinheira podem ser plantadas meia dúzia de oliveiras em regime superintensivo. O INIAV elaborou um estudo e concluiu que as perdas de azeitona com a manutenção de uma árvore autóctone se situavam entre os 50 e os 100 quilos. Mas, saliente o investigador, em olivais que ocupam 200, 400, 1000 ou até mais hectares, “a perda não é significativa do ponto de vista económico”.

Tendo em conta estes dados - assim como as densidades mínimas por hectare cujo abate está interdito, um valor que varia conforme o perímetro da árvore - os investigadores do INIAV estudaram uma possível solução para a preservação das azinheiras e sobreiros isolados: a teoria dos jogos. Esta analisa como os intervenientes numa determinada relação de interacção estratégica (agricultura versus ambiente, no caso) actuam no sentido de “promover o melhor resultado possível para si próprios”. As acções de uns são condicionados pelas dos outros e “nenhuma das pretensões ganha tudo e nenhuma perde tudo, ambas ficam a ganhar, com custos pouco significativos”, explica Seita Coelho.

PÚBLICO -
Foto

“Temos de ponderar a importância da manutenção das árvores isoladas do ponto de vista ambiental e os hipotéticos efeitos negativos da manutenção dessas mesmas árvores para as explorações” em áreas de conversão de sequeiro para regadio, continua o investigador. E decidir conforme essa ponderação. Não se trata de criar nova legislação mas de uma iniciativa cuja promoção conta com o “bom senso” dos proprietários.