Polícia da Irlanda do Norte prendeu dois suspeitos do assassínio de jornalista

Suspeitos têm 18 e 19 anos e podem estar ligados ao Novo IRA. De Belfast a Bruxelas condena-se o crime e alerta-se para a fragilidade do processo de paz - e para os efeitos do “Brexit”.

Jornalista
Foto
A polícia divulgou imagens de um vídeo em que se vê a jornalista a observar os motins na noite de quinta para sexta-feira EPA

A polícia da Irlanda do Norte anunciou a detenção de dois adolescentes, com 18 e 19 anos, no âmbito da investigação à morte da jornalista Lyra McKee, baleada na noite de quinta-feira nos motins em Derry.

A polícia suspeita que os dois suspeitos tenham ligações ao grupo armado republicano Novo IRA. Foram detidos ao abrigo da lei do terrorismo e levados para Belfast para serem interrogados.

Os distúrbios em Derry eclodiram depois de a polícia ter realizado buscas em várias casas à procura de armas e explosivos - a polícia suspeitava que se estavam a preparar actos violentos para assinalar o aniversário da Revolta da Páscoa, em 1916, contra o domínio britânico.

A actividade do Novo IRA está a crescer na região de Derry, atraindo sobretudo a população masculina mais jovem, dizem os jornais irlandeses. O Novo IRA foi criado em 2012 e junta uma série de grupos que se opõem ao processo de paz. O IRA - Exército Republicano Irlandês depôs as armas quando o processo de paz na Irlanda do Norte se consolidou, após a assinatura do Acordo de Sexta-Feira Santa, que deu origem a um governo partilhado entre republicanos e unionistas (a coligação foi quebrada em 2017 pelo Sinn Féin e a crise política ainda não foi solucionada).

Com a morte da jornalista, os republicanos dissidentes de Derry anunciaram que este ano não assinalam a Revolta da Páscoa. Nos últimos anos, a celebração tem dado lugar a confrontos com a polícia. A revolta ocorreu em 1916, entre 24 e 29 de Abril, quando os Voluntários Irlandeses, braço armado da Irmandade Republicana Irlandesa assumiram posições chave na cidade de Dublin e proclamaram a República da Irlanda. Em 1916 toda a ilha estava sob o domínio britânico, a independência da Irlanda só foi conseguida em 1919; a Irlanda do Norte ficou no território do Reino Unido.

A fronteira na ilha irlandesa é o grande entrave ao acordo do “Brexit”, a saída do Reino Unido da União Europeia, pois o seu regresso viola o Acordo de Sexta-Feira Santa que pôs fim à violência sectária.

O negociador da União Europeia, Michel Barnier, foi um dos condenou a violência e a morte da jornalista. A morte de Lyra McKee “recorda-nos a fragilidade do processo de paz na Irlanda do Norte. Temos que trabalhar para preservar o que foi conseguido com o Acordo de Sexta-Feira Santa”, disse Barnier. 

Os partidos norte-irlandeses advertiram para os riscos que representam para a Irlanda do Norte um “Brexit” mal concretizado.

A Federação Europeia de Jornalistas condenou também a morte da jornalista que era natural de Belfast estava a escrever um livro sobre os jovens desaparecidos durante as três décadas de violência, conhecidas como Troubles.