Mortes do ciclone em Moçambique serão “muito mais de mil”

Pedro Matos, coordenador do Programa Alimentar Mundial em Moçambique, diz que para melhor perceber a dimensão da tragédia o “mais representativo” é a declaração de Nyusi de que havia “350 mil pessoas em risco imediato de vida”.

Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

O mar interior de três mil quilómetros quadrados de água deixado pelas chuvas provocadas pelo ciclone Idai em Moçambique já desapareceu. Com excepção de uma depressão de terreno na Gorongosa, onde não há forma natural de escoar a água e ficou um lago como memória do desastre natural que se abateu sobre o país africano na noite de 14 e madrugada de 15 de Março.