Transportadores de mercadorias recusam negociar com sindicato antes de a greve acabar

Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias reuniu esta segunda-feira ao fim da tarde com o Governo, mas apesar dos pedidos, não cede a pressões para negociar.

Foto
Paulo Pimenta

A Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) anunciou esta terça-feira em comunicado que se recusa a iniciar negociações com o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) se este organismo não acabar com a paralisação.

Os motoristas de matérias perigosas reivindicam o reconhecimento da categoria profissional e uma revisão salarial e entraram em greve esta segunda-feira por tempo indeterminado, tendo o Governo aprovado esta terça-feira de manhã requisição civil para que sejam cumpridos os serviços mínimos que não estarão a ser respeitados.

Este sindicato foi formado apenas há uns meses, já depois de ter sido publicado um novo contrato colectivo de trabalho que esteve a ser negociado durante dois anos pela ANTRAM e pela Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações, afecta à CGTP. 

Na nota divulgada esta terça-feira, a ANTRAM dá a conhecer que esteve reunida esta segunda-feira ao fim da tarde com representantes do Governo na Direcção-Geral de Energia e Geologia para analisar a “situação gerada pela actual greve dos motoristas de matérias perigosas”.

A ANTRAM diz que lhe foi pedido que iniciasse negociações com aquele sindicato, no entanto diz que só estará disponível para o fazer se o SNMMP cumprir dois requisitos: num primeiro momento respeitar os serviços mínimos decretados pelo Governo e depois terminar com a greve.

As razões do protesto prendem-se com o facto de os motoristas terem de ter uma formação especial para transportar matérias perigosas, mas a categoria profissional reconhecida ser apenas a de motorista de transportes pesados.

Tendo em conta a especialização necessária e o risco a que estão sujeitos, estes condutores querem, em primeira instância, o reconhecimento da categoria profissional e uma redução do número de horas de trabalho, bem com uma revisão salarial.