Marcelo apela ao diálogo e lembra portugueses que querem visitar a família na Páscoa

Greve nacional dos motoristas de matérias perigosas provocou corrida aos combustíveis e há centenas de postos de abastecimento encerrados.

Marcelo Rebelo de Sousa
Foto
Miguel Manso

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou hoje estar a acompanhar o esforço do Governo para “normalizar a situação” provocada pela greve nacional dos motoristas de matérias perigosas.

“Tenho acompanhado o esforço que está a ser feito para normalizar essa situação, independentemente depois do problema laboral, que é um problema entre privados e também do exercício do direito constitucional à greve, que espero que venha a ter um diálogo que permita também uma evolução”, disse o chefe de Estado, em declarações aos jornalistas após uma viagem de eléctrico em Lisboa com a sua homóloga da Estónia, que se encontra em visita de Estado a Portugal.

Marcelo Rebelo de Sousa disse acompanhar a “preocupação do Governo” e as tentativas de “estabilizar a situação”, recordando a tradição seguida por muitas famílias, que aproveitam o período da Páscoa para se deslocarem às suas terras para passar uma parte desta semana com os familiares.

O Presidente da República lembrou que muitas dessas famílias programaram a sua vida para partir na quarta ou na quinta-feira, de modo a passarem o período da Páscoa com as famílias.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou às 0h de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Após a requisição civil, os militares da GNR mantiveram-se de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível pudessem abastecer e sair dos parques sem afectarem a circulação rodoviária.

Em Aveiras de Cima, avançou a mesma fonte, quando os camionistas de substâncias perigosas começaram a ocupar a estrada foi necessário um reforço dos elementos da Unidade de Intervenção que já estavam de prevenção no local.