Guiné Equatorial responsabiliza antigos colonizadores pela instabilidade em África

Presidente Teodoro Obiang realiza visita de Estado a Cabo-Verde.

Obiang na Cimeira da CPLP na Ilha do Sal, Cabo Verde, em Julho de 2018
Foto
Obiang na Cimeira da CPLP na Ilha do Sal, Cabo Verde, em Julho de 2018 TIAGO PETINGA/LUSA

O Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, responsabilizou nesta segunda-feira os antigos colonizadores de África pela instabilidade no continente, acusando-os de promoverem a divisão entre os africanos.

“Temos de assegurar o desenvolvimento, a estabilidade dos nossos países. O continente africano sofre muita instabilidade devido à pretensão dos antigos colonialistas que não querem que África avance”, disse Obiang Nguema, numa declaração à imprensa, durante o primeiro dia da visita de Estado a Cabo Verde

E acrescentou: “Por isso, temos muitas dificuldades nas relações com os países coloniais que nos dão freio ao desenvolvimento para que África chegue a ser uma entidade com características próprias, com força própria”.

Para Teodoro Obiang, os países africanos, como a Guiné Equatorial e Cabo Verde, são os únicos que podem fazer “uma política solidária, africana”.

“Estamos divididos em grupos. A nossa forma de falar está-nos a dividir. Este é um aspecto que não tem de dividir África”, disse, considerando que “alguns países colonialistas pensam que têm uma influência especial em relação às antigas colónias”. Em relação a esses países colonialistas, salientou: “Os culpados somos nós, porque os seguimos. Não temos que os seguir”.

Quanto a Cabo Verde, mostrou-se satisfeito e disponível para aprender com o país e enalteceu a cooperação entre os dois Estados. A esse propósito, disse que a segurança foi outro dos aspectos abordados no encontro entre os dois presidentes.

Teodoro Obiang disse preferir “a cooperação técnica, económica e cultural com Cabo Verde do que pedir a cooperação com outros países que vão dar a sua influência para pisar”. O chefe de Estado defendeu um incremento do intercâmbio económico entre os dois países em áreas como os produtos alimentícios e medicamentosos, com o objectivo de se libertarem das dependências das importações.

Obiang lamentou também que, a nível da Comunidades dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), muitos dos acordos que têm sido assinados não estejam a ser aplicados. Por essa razão, defendeu a realização de mais encontros, seja a nível dos Presidentes ou dos membros dos Governos.

Por seu lado, o Presidente da República cabo-verdiano contou que na reunião que manteve com Obiang, este manifestou-se “muito interessado” em ter na Guiné Equatorial professores cabo-verdianos de língua portuguesa”.

“É um aspecto a que vamos dar uma atenção muito especial, porque seria uma forma de nós cooperarmos para a intensificação, a difusão da língua portuguesa na Guiné Equatorial, que é um dos compromissos assumidos no quadro da CPLP”, disse.

Na visita de Estado que agora começou, Teodoro Obiang vai estar nas ilhas de Santiago e São Vicente.

Após o encontro entre os dois chefes de Estado, decorrerá um encontro entre as duas delegações, chefiadas pelos respectivos ministros dos Negócios Estrangeiros.

À noite, o Presidente de Cabo Verde oferece um banquete a Teodoro Obiang no Palácio da Presidência da República.

O segundo dia da visita começa com uma visita ao primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, seguindo-se uma recepção no Palácio da Assembleia Nacional e visitas ao Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) e o Data Center. À tarde, a comitiva desloca-se à Cidade Velha, para um percurso guiado com o presidente da Câmara Municipal da Ribeira Grande, antes de uma visita ao Centro de Energias Renováveis e Manutenção Industrial e à Escola de Hotelaria e Turismo. Para esse dia está agendada a assinatura de acordos bilaterais de cooperação.

Na quarta-feira, último dia da visita, a delegação presidencial da Guiné Equatorial desloca-se à ilha de São Vicente, onde será recebida pelo presidente da Câmara Municipal. Segue-se um encontro de trabalho com o ministro da Economia Marítima e visitas ao Centro Oceanográfico e ao antigo ISECMAR.

Teodoro Obiang Nguema é o Presidente africano há mais anos no poder, desde 1979.