Nova Iorque tem novo ícone arquitectónico – e as visitas são gratuitas

A escadaria monumental é a peça central de Hudson Yards, o novo bairro de Manhattan.

,Hudson Yards (bairro), Manhattan
Fotogaleria
, REUTERS/Brendan McDermid,REUTERS/Brendan McDermid
Fotogaleria
DR/Michael Moran
Fotogaleria
REUTERS/Shannon Stapleton
Fotogaleria
REUTERS/Brendan McDermid
Fotogaleria
REUTERS/Brendan McDermid

Múltiplos edifícios de escritórios, apartamentos, um centro comercial, um hotel, um centro de artes e espectáculos, uma varanda panorâmica, jardins e, no coração do novo bairro de Hudson Yards, em Nova Iorque, uma escadaria monumental que sobe em espiral de cobre espelhado e para onde convergem todas as atenções.

A obra, mistura de peça de arte e atracção turística, foi desenhada pelo arquitecto britânico Thomas Heatherwick e consiste numa rede de escadas, com quatro entradas junto ao solo e vários caminhos possíveis até ao topo, a mais de 45 metros de altura. No total: 154 lanços de escadas, 80 patamares, 2500 degraus e 16 pisos.

Para já, chamam-lhe Vessel, vaso em tradução para português. Mas está aberto um concurso para encontrar um nome melhor – e definitivo. Há quem encontre no monumento semelhanças a uma colmeia, uma jarra, uma caixa torácica ou um kebab.

PÚBLICO -
DR/Michael Moran
PÚBLICO -
REUTERS/Brendan McDermid
PÚBLICO - ,
, REUTERS/Mike Segar,REUTERS/Mike Segar
Fotogaleria
DR/Michael Moran

A ideia, refere o site, é que a “obra de arte interactiva” funcione como “ponto focal”, onde é possível “desfrutar de novas perspectivas da cidade e de diferentes alturas, ângulos e pontos de vista”.

Não se esperem, no entanto, grandes panorâmicas sobre a cidade norte-americana. O topo da estrutura fica abaixo dos prédios circundantes e, conta a edição espanhola da revista Traveler, é preciso algum esforço para ver edifícios como o Empire State Building ou o One World Trade Center.

O que não faltarão são vistas para o Hudson, rio que dá nome ao novo bairro nova-iorquino, erguido de raiz na zona oeste da ilha de Manhattan, e que desliza logo ali. Em redor da estrutura, destaque para o novo centro cultural, Shed, que integra uma estrutura amovível, que permite adaptar o espaço e expandir as salas de espectáculos. Inclui galerias, um teatro, espaço para ensaios e um laboratório artístico.

Depois de quatro anos de fabrico e construção, Vessel abriu ao público a 15 de Março. A entrada é livre, mas sujeita a marcação, com horário definido, para garantir que o número de pessoas não excede o máximo permitido (700).

PÚBLICO -
Foto
REUTERS/Mike Segar

O Hudson Yards é um dos maiores projectos imobiliários privados construídos nos Estados Unidos nos últimos anos. Além da escadaria, integra quatro arranha-céus com espaços de escritórios e apartamentos, um centro comercial com 93 mil metros quadrados e mais de 100 lojas e restaurantes, um centro cultural e dois hectares de jardins públicos.

Quando o projecto estiver concluído, o bairro integrará 16 edifícios, ao longo de mais de 11 hectares de terreno. Vai incluir um hotel, com abertura prevista para Junho, e “a maior varanda aberta ao público de Nova Iorque”, miradouro com chão de vidro a 335 metros de altura, que deverá abrir ao público em 2020.