Greve de motoristas: ANA admite “restrições à operação” nos aeroportos de Lisboa e Faro

A paralisação nos transportes de matérias perigosas conta com a adesão de todos os 800 motoristas do sector. Revendedores de combustível dizem ainda ser “prematuro avaliar o impacto no fornecimento de combustível dos postos de abastecimento”. ANA diz que, em Lisboa e em Faro, poderão existir impactos à aviação civil.

Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Carro
Fotogaleria
Paulo Pimenta

A greve ao transporte de matérias perigosas, que começou à meia-noite desta segunda-feira, regista uma adesão dos trabalhadores de 100%, nas contas do sindicato que convocou o protesto. Se o cenário se mantiver, os postos de abastecimento poderão acusar falta de combustíveis já esta terça-feira, afirma o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP). A ANA - Aeroportos de Portugal admite “restrições” e “impacte” na aviação civil, em particular nos aeroportos de Lisboa e Faro.

Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do SNMMP, que marcou o protesto, afirmou, esta segunda-feira à tarde, que “desde a meia-noite [de 15 de Abril] não saiu nenhum camião”.

Os cerca de 800 trabalhadores deste sector dos transportes no país aderiram ao protesto. Muitos deles estacionaram o camião para se juntarem às concentrações marcadas para Aveiras, Barreiro, Sines e Matosinhos, junto à Petrogal, onde se registou uma “adesão muito superior ao esperado”. O também consultor jurídico lamenta as “queixas e ameaças de despedimento” que sindicalistas e grevistas têm recebido, “minuto a minuto”, por parte das empresas, para que regressem ao trabalho.

Quanto aos serviços mínimos, Pedro Pardal Henriques também reitera que o abastecimento de combustíveis apenas se tem efectuado para os hospitais, tal como o SNMMP havia avançado, impugnando o despacho conjunto dos ministérios do Trabalho e do Ambiente, que incluía ainda o abastecimento de bases aéreas, bombeiros, portos, aeroportos e ainda parte dos postos de abastecimento no Grande Porto e na Grande Lisboa.

Enquanto a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) ou o Governo não se mostrarem disponíveis para negociar, a paralisação continuará por tempo indeterminado. Mas o impacto poderá ser imediato: “Amanhã [terça-feira], muitos postos ficarão sem combustível”. O vice-presidente do sindicato indica ainda que os aeroportos “já estão a menos de metade da reserva” disponível.

ANA admite impacto

Numa nota escrita enviada ao PÚBLICO, a ANA informou que “está a acompanhar de forma próxima o impacto da greve nos aeroportos da rede” em Portugal. A autoridade não comentou as declarações sobre a quantidade de combustível em reserva. Referiu apenas que está a monitorizar a reserva disponível, a avaliar o cumprimento dos serviços mínimos e eventuais medidas de contingência.

Num acrescento posterior, a ANA admitiu a possibilidade de, nos aeroportos de Lisboa e Faro, poderem existir impactos causados pela greve convocada pelo SNMMP. “Nos aeroportos de Lisboa e Faro, apesar da imposição de serviços mínimos para as infra-estruturas estratégicas, podem existir restrições à operação e impacte na aviação civil. A ANA, que é totalmente alheia a esta situação, continuará a acompanhar de forma permanente a situação com o Governo, as empresas petrolíferas, as companhias aéreas e as empresas de handling com vista à minimização do eventual impacte”, afirma a empresa.

Nos restantes aeroportos não haverá quaisquer alterações ao habitual funcionamento, por estas infra-estruturas estarem “dotadas de um sistema de abastecimento de combustível que não depende do transporte terrestre”, garante a ANA.

O presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (ANAREC)​, Francisco Albuquerque, diz ao PÚBLICO ainda ser "prematuro avaliar o impacto no fornecimento de combustível dos postos de abastecimento”. Além disso, a entidade não regista “qualquer relato que dê conta de alguma falta de abastecimento”, mas afirma estar a vigiar a situação. 

Dezoito horas de trabalho diário

Antes de a greve ter sido marcada, já o SNMMP se havia reunido com a ANTRAM, Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (APETRO) e com ambos os ministérios, relativamente às reivindicações dos trabalhadores deste sector.

Além do reconhecimento da categoria profissional específica, Pedro Pardal Henriques fala de uma “indignação” pelo “número de horas a que as pessoas são expostas”, que podem chegar às 18 horas de trabalho diário. O sindicalista aponta ainda para a precariedade do trabalho e o baixo salário base de 630 euros. “[Há um] risco a que [os trabalhadores] são expostos diariamente, quer pela carga horária quer pelo risco para a população. Afinal, eles transportam uma bomba”, acrescenta.

A ANTRAM já rejeitou os fundamentos da greve dos motoristas de matérias perigosas e exigiu o cumprimento da lei quanto às regras de execução da paralisação.

“Face à greve convocada pelo SNMMP, a ANTRAM não pode deixar de denunciar o atropelo da legalidade que está a ser cometido por este sindicato, quer pelo facto de não ter promovido a organização dos serviços mínimos, quer pelo facto de não incentivar os trabalhadores em greve ao cumprimento desses serviços”, disse, em comunicado, a associação.

“Os piquetes de greve estão a ultrapassar os limites da legalidade ao impedir trabalhadores que não pretendem aderir à greve de exercer a sua actividade”, vincou a ANTRAM, citada pela Lusa.

Notícia actualizada às 00h42 de dia 16 com esclarecimentos adicionais da ANA

Texto editado por Pedro Rios