FMI decide esta semana empréstimo de 120 milhões de dólares a Moçambique

Um mês depois, o Banco Mundial calcula que a passagem do ciclone Idai causou estragos que podem ascender a 684 milhões de euros.

Um milhão e meio de pessoas foi afectada pela passagem do ciclone <i>Idai<i>
Foto
Um milhão e meio de pessoas foi afectada pela passagem do ciclone Idai daniel rocha

O Fundo Monetário Internacional vai decidir esta semana a libertação de 120 milhões de dólares da sua linha de crédito rápido para ajudar Moçambique na tarefa de recuperação dos danos causados pela passagem do ciclone Idai pelo centro do país, faz hoje um mês.

“Agimos muito rapidamente para apoiar Moçambique através de uma linha de crédito rápido. Estamos à espera que o conselho consultivo aprecie o pedido na próxima semana”, afirmou, na sexta-feira, Abebe Selassie, director do departamento africano do FMI.

A directora do Fundo, Christine Lagarde, já se referira ao facto na sua conferência de imprensa de quinta-feira, onde adiantara que “o Governo de Moçambique submeteu um pedido para uma linha de crédito rápida, que permite um acesso célere ao financiamento concessional [pagamento flexível e taxas de juro baixas] do Fundo”.

Lagarde garantiu que estão “a agir o mais rapidamente possível. Não serão promessas. Será um pagamento imediato assim que o conselho o aprovar.”

Este valor permitirá apenas financiar uma parte da recuperação, tendo em conta que o Banco Mundial calculou as perdas económicas de Moçambique por causa do Idai entre 656 milhões de dólares (580 milhões de euros) e 773 milhões de dólares (684 milhões de euros) – quase 240 mil casas foram destruídas ou danificadas, bem como mais de 715 mil hectares de colheitas.

A nota do Banco Mundial, datada de 4 de Abril, refere que as suas contas não reflectem as perdas indirectas devido ao ciclone, como a redução da produtividade e as interrupções de produção.

PÚBLICO -  No meio da catástrofe, um sorriso de esperança
No meio da catástrofe, um sorriso de esperança Daniel Rocha
PÚBLICO - Segundo a Cruz Vermelha, 90% da cidade da Beira foi afectada ou destruida pelo ciclone Idai
Segundo a Cruz Vermelha, 90% da cidade da Beira foi afectada ou destruida pelo ciclone Idai Daniel Rocha
PÚBLICO - Até agora foram criados 96 centros de acomodação em Sofala, Manica, Tete e Zambézia para as vítimas das inundações e do ciclone.
Até agora foram criados 96 centros de acomodação em Sofala, Manica, Tete e Zambézia para as vítimas das inundações e do ciclone. Daniel Rocha
PÚBLICO - Já chegaram ao local dois aviões de apoio português às operações de socorro
Já chegaram ao local dois aviões de apoio português às operações de socorro Daniel Rocha
PÚBLICO - Cidade da Beira só volta a ter água potável no sábado
Cidade da Beira só volta a ter água potável no sábado Daniel Rocha
PÚBLICO - Várias organizações estão a recolher dinheiro e determinados bens para ajudar as vítimas do ciclone Idai
Várias organizações estão a recolher dinheiro e determinados bens para ajudar as vítimas do ciclone Idai Daniel Rocha
PÚBLICO - Falta de alimentos é um dos principais problemas nesta altura em Moçambique
Falta de alimentos é um dos principais problemas nesta altura em Moçambique Daniel Rocha
PÚBLICO - Esta é considerada pela ONU "a pior tempestade de sempre do Hemisfério Sul”
Esta é considerada pela ONU "a pior tempestade de sempre do Hemisfério Sul” Daniel Rocha
PÚBLICO - Angola envia missão humanitária com 100 técnicos de saúde para Moçambique
Angola envia missão humanitária com 100 técnicos de saúde para Moçambique Daniel Rocha
PÚBLICO - Já há comunicações em Beira, o que permite abrir outros centros de operações para acudir as vítimas do ciclone
Já há comunicações em Beira, o que permite abrir outros centros de operações para acudir as vítimas do ciclone Daniel Rocha
PÚBLICO - O primeiro de dois aviões C-130 com apoio português às operações de socorro já chegou à cidade de Beira
O primeiro de dois aviões C-130 com apoio português às operações de socorro já chegou à cidade de Beira Daniel Rocha
PÚBLICO - Devido ao ciclone Idai, Moçambique adia recenseamento e deve adiar eleições
Devido ao ciclone Idai, Moçambique adia recenseamento e deve adiar eleições Daniel Rocha
PÚBLICO - São várias organizações que estão a recolher dinheiro e determinados bens para ajudar as vítimas
São várias organizações que estão a recolher dinheiro e determinados bens para ajudar as vítimas Daniel Rocha
PÚBLICO - A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai criar um fundo especial para apoiar as vítimas do ciclone Idai
A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) vai criar um fundo especial para apoiar as vítimas do ciclone Idai Daniel Rocha
PÚBLICO - Técnicos e estação de tratamento da Águas de Portugal irão para Moçambique
Técnicos e estação de tratamento da Águas de Portugal irão para Moçambique Daniel Rocha
PÚBLICO - Em Moçambique, 374 mil pessoas continuam em risco
Em Moçambique, 374 mil pessoas continuam em risco Daniel Rocha
PÚBLICO -
Daniel Rocha
PÚBLICO -
Daniel Rocha
PÚBLICO -
Daniel Rocha
PÚBLICO -
Daniel Rocha
PÚBLICO -
Daniel Rocha
Fotogaleria

O ciclone Idai, que atingiu Moçambique no dia 14 de Março, provocou a morte de pelo menos 603 pessoas, de acordo com o último balanço feito pelo Instituto Nacional de Gestão de Calamidades, divulgado na sexta-feira. Nos centros de alojamento para os sinistrados estão actualmente 73.296 pessoas, sendo que 41.742 delas são consideradas vulneráveis.

Ao todo, 1,5 milhões de pessoas em Moçambique foram de alguma forma afectadas pelos ventos fortes e as inundações provocadas pelo Idai.

Somando o Malawi e o Zimbabwe, os dois países vizinhos que também sofreram os efeitos do ciclone, cerca de 3 milhões de pessoas sofreram com a passagem do Idai. No Zimbabwe morreram 344 pessoas e no Malawi, 59.

Tudo somado, o Banco Mundial fala em custos de recuperação das infra-estruturas e meios de subsistência, no conjunto dos três países, de 2 mil milhões de dólares (2,6 mil milhões de euros).