A Fórmula 1 chega às 1000 corridas: (re)veja sete das mais marcantes

O PÚBLICO decidiu assinalar a marca redonda ao recordar algumas das corridas mais emocionantes, marcantes (e trágicas) na história deste desporto motorizado.

,Carro de Fórmula Um
Foto
Grande Prémio da China será prova número 1000 na história da Fórmula 1 Reuters/REUTERS/YVES HERMAN

O Grande Prémio de Xangai, China, deste domingo, será a 1000.ª prova na história da Fórmula 1. Muito sangue, suor e lágrimas foram vertidos nas pistas que compõem o desporto motorizado que cola milhões de espectadores às televisões, independentemente do fuso horário. O PÚBLICO invoca um sentimento nostálgico e traz-lhe sete corridas que fizeram o coração bater a mais de 300 quilómetros por hora, à boa maneira da Fórmula 1.

Silverstone, 1950: o humilde início...

O primeiro Grande Prémio da Fórmula 1 teve lugar a 13 de Maio de 1950, no circuito de Silverstone, em Inglaterra. A prova teve o total domínio da Alfa Romeo, que regressou esta temporada à competição, com o italiano Giuseppe “Nino” Farina no topo da pole position e da corrida. Os colegas de equipa Luigi Fagioli (mais 2,6 segundos), o argentino Juan Manuel Fangio e o britânico Reg Parnell completaram o top quatro, todos eles ao volante de um monolugar 158 da Alfa Romeo.

Em mais de 325 quilómetros realizados em 70 voltas à pista, foi o italiano Farina a completar a volta mais rápida e, meses depois, a conquistar o primeiro título mundial de F1. O mapa da competição passou praticamente pelo continente europeu (Inglaterra, Suíça, Mónaco, Bélgica, França e Itália), excepto na prova de Indianápolis, nos Estados Unidos, o que lhe dava o estatuto de prova mundial. Cerca de 100 mil pessoas assistiram a esta corrida em Silverstone, que contou com a primeira e única presença da família real britânica neste tipo de eventos. Poderosas fabricantes como a Ferrari só surgiram no Grande Prémio seguinte, a 21 de Maio de 1950, no Mónaco, e com Alberto Ascari ao volante conquistou o segundo lugar. Apenas nas temporadas de 1950 e 1951 é que a Alfa Romeo conquistou títulos mundiais de F1.

Ímola, 1994: as fatalidades que impulsionaram a segurança

Se falarmos em Ímola 1994, o acontecimento que nos vem imediatamente à memória é o acidente fatal que levou a vida de Ayrton Senna, piloto brasileiro da Williams, então com 34 anos. O fim-de-semana no circuito bolonhês já tinha ceifado a vida a Roland Ratzenberger, piloto austríaco da Simtek, um dia antes de Senna. Na sexta-feira, foi Rubens Barrichello a sofrer um grave acidente, mas os ferimentos do brasileiro acabaram por ser ligeiros.

PÚBLICO -
Foto
Todos os anos, piloto brasileiro é relembrado pelos colegas de profissão REUTERS/MAX ROSSI

As mortes daquele fim-de-semana tiveram um grande impacto na visão da Fórmula 1 sobre a segurança. O cockpit passou a proteger mais os pilotos, as paredes laterais cresceram, passando a proteger ombros e cabeça, e os testes de resistência (crash tests) foram aprimorados. A Fórmula 1 perdeu um dos melhores de sempre, naquele dia. Mas talvez tenha conseguido salvar a vida de muitos outros pilotos.

EUA, 2005: uma corrida, seis carros e pódio português

Quem pagou bilhete para assistir ao Grande Prémio dos Estados Unidos em 2005, teve uma grande desilusão: após falhas na segurança dos pneus Michelin numa das curvas de alta velocidade, apenas as equipas com pneus da Bridgestone foram autorizadas a competir. Ferrari, Jordan-Toyota e Minardi-Cosworth foram os três resistentes que se aventuraram no circuito de Indianápolis.

PÚBLICO -
Foto
Tiago Monteiro conseguiu um pódio inédito nos Estados Unidos BRENT SMITH / REUTERS

Michael Schumacher foi o vencedor. Rubens Barrichello o segundo classificado. E Tiago Monteiro, piloto da Jordan-Toyota, assegurou o primeiro pódio português na Fórmula 1. “É uma espécie de sentimento contraditório. Consegui distanciar-me do meu colega de equipa. Não sabia o que pensar, mas estou feliz por mim e pela minha equipa. Apesar de ser uma situação caricata, continua a ser um pódio. Ninguém me pode tirar este feito”, diria o piloto português após a corrida.

Brasil, 2006: o adeus de Schumacher à Ferrari

Para o dia 22 de Outubro de 2006, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo, estava marcada a última corrida de Michael Schumacher na Ferrari e também na Fórmula 1. Uma corrida que podia ter sido brindada com uma vitória e a conquista do título, caso Fernando Alonso não ficasse num dos oito primeiros lugares da prova.

Foi Felipe Massa (Ferrari) a vencer o Grande Prémio - há 13 anos que um brasileiro não vencia uma corrida no seu país. O português Tiago Monteiro também esteve em prova e terminou a corrida no 15.º lugar, ao volante de um Toyota.

Schumacher tinha anunciado a saída da Ferrari e da Fórmula 1, mas regressou à competição em Dezembro de 2009 pela Mercedes. Para a história, em 308 Grandes Prémios com a participação do alemão, ficaram sete títulos, 91 vitórias, 155 pódios e 68 pole positions. Aos 50 anos de idade, o seu estado de saúde permanece um mistério, após o acidente sofrido em 2013.

Canadá, 2007: Lewis Hamilton apresenta-se às vitórias

Correu tudo na perfeição para Lewis Hamilton naquela semana no circuito Gilles Villeneuve, no Québec. A primeira pole position (já lá vão 84) e a primeira corrida vencida. O piloto britânico cumpriu a primeira época na Fórmula 1 em 2007 ao serviço da McLaren, surpreendendo a concorrência e até o colega de equipa da altura, Fernando Alonso.

Só nessa temporada, Hamilton conquistou nove poles consecutivas, algo inédito para um novato na competição. O título chegou naturalmente na época seguinte - e já são cinco actualmente. 

Brasil, 2008: última curva, última volta, última corrida

A decisão de um dos títulos mundiais mais emocionantes de sempre teve lugar no circuito de Interlagos. As contas eram simples de fazer: Lewis Hamilton precisava apenas de garantir o quinto lugar para se sagrar campeão mundial. Felipe Massa, a correr “em casa”, estava obrigado a vencer o Grande Prémio do Brasil e tinha ainda de rezar para que o britânico ficasse pelo menos em sexto lugar.

Numa corrida marcada por várias alterações meteorológicas — que, por sua vez, levaram a múltiplas trocas de pneus nas boxes —, Hamilton entrou na sexta posição para a derradeira volta da corrida. Massa dominou e venceu. O brasileiro foi campeão mundial durante 30 segundos, até o rival ultrapassar Timo Glock, na última curva do circuito. Hamilton subiu ao quinto lugar e assegurou os pontos que lhe permitiram celebrar o primeiro título no seu palmarés.

Monza, 2008: David derrotou Golias na chuva

Numa altura em que o campeonato era monopolizado pela Ferrari e pela McLaren — representadas por Felipe Massa e Lewis Hamilton —, o jovem Sebastian Vettel lutava por se afirmar na Toro Rosso (uma espécie de “equipa B” da Red Bull).

PÚBLICO -
Foto
Sebastian Vettel liderou da primeira à última volta ALESSANDRO GAROFALO / REUTERS

Em Monza, Itália, a chuva não dava tréguas. Vettel, conhecido por se dar bem nestas condições, surpreendeu tudo e todos na qualificação, conquistando uma inédita pole position para a Toro Rosso. O alemão admite que, antes de começar a corrida, pensava ser uma questão de tempo até que os carros mais rápidos o alcançassem.

Aparentemente, Vettel surpreendeu-se a si próprio, dominando a corrida da primeira à última volta. O “conto de fadas”, como ficou apelidado, catapultou o alemão para uma carreira de sucesso na Red Bull, pela qual conquistou quatro títulos consecutivos (2010, 2011, 2012 e 2013).