O “maior” avião do mundo voou este sábado pela primeira vez

O Stratolaunch é o avião com maior envergadura alguma vez construído. Foi concebido para transportar foguetões e, se tudo correr como planeado, poderá lançar o primeiro satélite já no próximo ano.

,Sistemas Stratolaunch
Fotogaleria
Em preparação para o voo deste sábado Stratolaunch
,Sistemas Stratolaunch
Fotogaleria
Stratolaunch
,Sistemas Stratolaunch
Fotogaleria
Stratolaunch
,Aeronave
Fotogaleria
Stratolaunch
,Sistemas Stratolaunch
Fotogaleria
Stratolaunch

O avião com a maior asa alguma vez construída teve o seu baptismo de voo este sábado de manhã. É um gigante de 226 toneladas, 72 metros de comprimento, dois cockpits e uma asa que mede 117 metros — como termo de comparação, o A380 tem uma envergadura de 79,8 metros; e um campo de futebol tem 105 metros de comprimento.

Construído pela Stratolaunch Systems, o avião foi projectado para subir até aos 35.000 pés (10.668 metros)​, altitude a que serão lançados foguetões para entrar em órbita. O voo inaugural — sem carga — teve início pouco depois das dez da manhã (hora local) da Mojave Air and Space Port em Mojave, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América.

O projecto foi apresentado em 2011 e os testes em pista começaram em Maio de 2017, mês em que o avião viu pela primeira vez a luz do dia. “Hoje, pela primeira vez, estamos a retirar a aeronave da Stratolaunch do hangar para realizar testes de abastecimento de combustível. Isto marca a conclusão da fase inicial de construção da aeronave e o início da fase de testes de solo e voos. Nas últimas semanas, removemos a infra-estrutura de fabrico e colocamos o peso total da aeronave nas suas 28 rodas pela primeira vez. Este foi um passo crucial na preparação para testes no solo, corridas de motores, testes na pista e, por último, o primeiro voo”, afirmava a companhia num comunicado.​

O custo do avião mais largo do mundo não foi divulgado, mas são conhecidos outros detalhes. Para torná-lo mais forte e leve, o modelo é feito, em grande parte, em fibra de carbono em vez de alumínio. Para poupar dinheiro na criação de novos motores e mecanismo de aterragem, o avião é equipado com seis motores e 28 rodas que foram originalmente projectados para os Boeing 747.​

Assim que esteja totalmente operacional, testado e certificado, o modelo da Stratolaunch vai transportar um foguetão carregado com um satélite. O facto de passar a ser possível colocar pequenos satélites no espaço através de aviões vai baixar o custo destas operações, uma vez que elimina a necessidade de plataformas de lançamento e de todos os equipamentos e infra-estruturas dispendiosos necessários para um lançamento tradicional de foguetões. Pode também ser uma vantagem no que toca a poupanças de combustível, já que o avião queimará menos combustível do que um foguetão tradicional quando sai da Terra.​

O mau tempo, um dos factores que leva ao cancelamento ou adiamento de um lançamento convencional, também deixa de ser um problema. Um avião pode simplesmente descolar e sobrevoar o mau tempo, ou deslocar-se para longe deste, e depois então lançar o satélite.​

Assim sendo, os lançamentos podem vir a ocorrer com mais frequência e dentro de prazos mais curtos. No entanto, antes de começar a desempenhar o seu papel, os pilotos terão que testar o jacto várias vezes antes que este possa ser certificado pela Administração Federal de Aviação dos EUA. Se tudo correr como está planeado, o avião poderá lançar o seu primeiro satélite no próximo ano.​

PÚBLICO -
Foto
O avião da Stratolaunch ainda em fase de testes Stratolaunch

Por esta altura já é conhecido o interesse de um cliente. A Northrop Grumman, uma multinacional norte-americana que actua nas áreas da indústria aeroespacial e da defesa planeia usar o avião para lançar o foguetão Pegasus XL para o espaço.

A Stratolaunch Systems foi uma empresa fundada por Paul Allen, o empresário norte-americano que criou a Microsoft juntamente com Bill Gates e que era um dos homens mais ricos do mundo. Para a empresa, o lançamento do Stratolaunch é um passo histórico no seu trabalho para alcançar a visão de Paul G. Allen de normalizar o acesso à órbita baixa da Terra. “É um dia de orgulho para nós na Stratolaunch, para os nossos parceiros e para o nosso fundador Paul Allen. Temos muitas actividades interessantes à frente ao entrarmos no processo de teste e vamos partilhar o nosso progresso nos próximos meses”, garante a empresa no seu site

Artigo actualizado às 2h50 para esclarecer a aplicação do termo “maior"; o Stratolaunch tem a maior asa (117 metros), mas outras aeronaves são mais compridas, pesadas e/ou volumosas.