Entrevista

Mulheres “não teriam consentido esta loucura” dos abusos sexuais na Igreja

Phyllis Zagano, membro da comissão formada pelo Papa para estudar o diaconado das mulheres e uma das autoridades mundiais nesta matéria, alerta que a Igreja corre o risco de não ser levada a sério na denúncia das desigualdades e da violência exercida contra as mulheres ao não lhes conferir estatuto clerical.

Fotogaleria
Miguel Manso
Fotogaleria

Os abusos sexuais de menores dentro da Igreja não teriam avançado tanto, se houvesse mulheres com estatuto clerical e funções governativas na Igreja Católica, defende Phyllis Zagano. Professora e investigadora na Universidade de Hofstra, em Nova Iorque, foi convidada, em 2016, a integrar a Pontifícia Comissão para o Estudo do Diaconado das Mulheres. Esta semana, passou por Lisboa, a convite do Centro de Investigação em Teologia e Estudos da Religião, da Faculdade de Teologia da Universidade Católica, para apresentar o livro Mulheres diáconos – passado, presente e futuro [2019, Paulinas Editora], de que é co-autora. Nesta entrevista, recua séculos para lembrar que eram as diáconos que baptizavam as mulheres, ungiam as doentes e reportavam aos bispos casos de violência doméstica. E avisa que a Igreja tem de avançar para a ordenação de mulheres diáconos, sob pena de não ser levada a sério na denúncia das desigualdades e da violência exercida contra as mulheres.