PS e direita rejeitam desvinculação de Portugal do Tratado Orçamental pedida pelo PCP

Comunistas insistem na ideia de saída do tratado argumentando que este instrumento europeu condiciona o crescimento económico do país. Direita lembrou que o PCP tem aprovado os orçamentos do Governo que respeitam o tratado.

Lisboa
Foto
daniel Rocha

O Parlamento rejeitou hoje um projecto de resolução do PCP a recomendar ao Governo o início do processo de desvinculação de Portugal do Tratado Orçamental europeu, apesar dos votos favoráveis de comunistas, bloquistas e ecologistas.

Os grupos parlamentares de PSD, PS, CDS-PP, o deputado único do PAN, André Silva, e o deputado não-inscrito Paulo Trigo Pereira votaram contra o texto dos comunistas.

O documento pela desvinculação do Tratado sobre Estabilidade, Coordenação e Governação na União Económica e Monetária (Tratado Orçamental) defendia, no seu segundo ponto, que Portugal adoptasse “as diligências necessárias à promoção de um programa de apoio a países pelos prejuízos decorrentes do Pacto de Estabilidade e Crescimento e da concretização da União Económica e Monetária”.

Sugerir correcção