Pelo menos 20 mortos confirmados em desabamento de dois prédios no Rio de Janeiro

Construções eram ilegais. Cidade brasileira foi atingida por chuvas fortes nos últimos dias e encontra-se sob estado de calamidade.

Foto
Os prédios desabaram ao início da manhã em Muzema, no oeste do Rio de Janeiro REPRODUÇÃO TV GLOBO

Dois prédios de habitação desabaram na manhã desta sexta-feira, em Muzema, na zona Oeste do Rio de Janeiro, no Brasil. Moradores no local relatam ter ouvido um grande estrondo no momento do incidente, e indicam que uma pessoa foi resgatada com vida pela vizinhança. Os bombeiros confirmam vinte mortos resultantes do desabamento.

Os bombeiros chegaram ao local pelas 7h20 (hora local — 11h20 em Portugal Continental) depois de o alerta ter sido dado às 6h48. A energia foi cortada em toda a zona de Muzema desde o início das operações.

O desastre poderá estar relacionado com o mau tempo que se tem feito sentir na cidade. O Rio de Janeiro encontra-se em estado de calamidade pública por causa das chuvas mais fortes na região dos últimos 22 anos. A intempérie causou dez mortos nos últimos dias.

O Centro de Operações dos Bombeiros do Rio de Janeiro informou a população que a Estrada de Jacarepaguá, que liga a localidade de Rio das Pedras ao Itanhangá​, encontra-se encerrada na região de Muzema. Há suspeitas de que outros prédios por perto também possam desabar.

A autarquia do Rio de Janeiro, diz a Globo, sabe que os dois prédios que colapsaram, com cerca de quatro andares cada, foram construídos ilegalmente. Moradores da zona dizem à mesma estação de televisão que um dos prédios tinha sido inaugurado há seis meses.

Desde Janeiro, uma investigação da Ministério Público e da Polícia Civil do Rio de Janeiro já deteve cinco pessoas relacionadas com um esquema de construção e comercialização de edifícios ilegais. Todas são suspeitas de formar um grupo que falsifica documentos de ocupação de terrenos, permitindo a compra e venda de imóveis construídos ilegalmente na zona Oeste da cidade, em nome das associações de moradores de Muzema e Rio das Pedras. Só naquela zona, dizem os habitantes, há cerca de 60 prédios a serem construídos sem autorização.