Marcelo entrega a Costa proposta para proibir nomeações familiares na Presidência

O Presidente redigiu um anteprojecto que impede qualquer grau de parentesco em Belém. A questão das nomeações cruzadas não se coloca na Presidência.

Marcelo não quer relações familiares em Belém
Foto
Marcelo não quer relações familiares em Belém Miguel Manso

Marcelo Rebelo de Sousa entrega esta quinta-feira, na reunião semanal com o primeiro-ministro, uma proposta que ele próprio escreveu de alteração à orgânica da Presidência da República na qual se proíbe qualquer nomeação de familiares para cargos no Palácio de Belém.

“Esta matéria está nas mãos dos partidos, do Governo e do parlamento, excepto numa parte que diz respeito à Presidência da República e em que eu tenho praticamente pronto já um projecto de diploma, mas que tem de ser submetido ao Governo porque o Presidente não tem poderes legislativos, sobre um regime de impedimentos na Presidência da República”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas à chegada para um evento em Lisboa.

O anteprojecto impede a nomeação de cônjuges e todos os familiares em linha recta e colateral, sem limite de grau, para qualquer cargo no âmbito da Presidência. Mas vai ainda mais longe e impede também a nomeação de qualquer pessoa que viva em economia comum com o Presidente, o que vai muito além de laços familiares.

O Presidente quer, desta forma, dar o exemplo ético daquilo que entende ser desejável em política: que ninguém possa nomear parentes, seja qual for o cargo ou grau de parentesco, ou pessoas muito próximas de quem as nomeia​. A proposta não contém qualquer indicação sobre como evitar nomeações cruzadas (de familiares de outros políticos) porque a Presidência é um órgão unipessoal: a única pessoa que pode nomear é o próprio chefe de Estado.

Desde que a polémica das relações familiares no Governo rebentou, Marcelo tem defendido que se façam as alterações legislativas consideradas necessárias para se evitar este tipo de polémica, mas até agora apenas o PS admitiu apresentar propostas concretas

Questionado pelos jornalistas sobre a proposta do PS revelada esta quinta-feira, o Presidente afirmou que vai “esperar para ver os diplomas que venham a ser apresentados e aprovados”. “Aquilo que me dizem é que, neste momento, há iniciativas que estão a ser ponderadas para apreciação do Governo e do Parlamento. E, se for assim, é bom”, disse, citado pela Lusa.

Marcelo Rebelo de Sousa defendeu ainda que a sua função “foi chamar a atenção para a importância da matéria porque, tal como aconteceu na administração pública, durante muito tempo dizia-se [que] basta apenas a ética”.

“E depois chegou-se à conclusão que não bastava a ética porque, durante muito tempo, na função pública também não havia lei e dizia-se [que] faz parte do bom senso, faz parte da ética e um dia concluiu-se “bom, talvez seja bom haver lei” e hoje há lei e ganhou-se com a lei”, notou.

O chefe de Estado disse também esperar que, “quando os deputados entenderem, quando o Governo entender, quando os partidos entenderem, mais cedo ou mais tarde, se chegue à mesma conclusão quanto aos gabinetes que apoiam titulares de cargos políticos a que se chegou na administração pública há 20 anos”.

Presidente desmente ex-director da PJM

O Presidente aproveitou a conversa com os jornalistas para repetir a nota que foi colocada na quarta-feira à noite no site da Presidência a propósito da audição do ex-director da Polícia Judiciária Militar na comissão de inquérito ao furto de material militar em Tancos. Luís Vieira assumiu que, após ter-se encontrado com Marcelo Rebelo de Sousa durante uma visita aos paióis (a 4 de Julho), o chefe de Estado teria prometido uma intervenção junto da Procuradora-Geral da República.

“Como o Presidente da República já disse várias vezes, no final da visita a Tancos, o então Ministro da Defesa trouxe para junto de si o então Director da Polícia Judiciária Militar. O Presidente da República disse-lhe que haveria de o receber oportunamente, audiência que acabou por nunca se realizar”, lê-se na nota de Belém.

Entretanto, aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa disse que não pode andar sempre a desmentir esta notícia. “Já a desmenti há seis meses, não posso fazê-lo de seis em seis meses. O que se passou é tão simples como isto: no final da visita a Tancos, o ministro da Defesa chamou o então director da Polícia Judiciária Militar e ele disse-me: ‘gostaria de falar consigo’. Nunca aconteceu, até hoje”, disse.

Marcelo acrescentou ainda: “O Presidente da República quando diz uma coisa é uma vez e não diz mais. Se disse agora, como há seis meses, que apenas combinamos falar oportunamente e não aconteceu mais nada, é porque não falei.”