A pior notícia para o Ajax é o regresso de Cristiano Ronaldo

Finais da Liga dos Campeões reeditadas esta noite nos quartos-de-final: Juventus, com Cristiano Ronaldo de volta após lesão, visita o Ajax. E o Manchester United recebe a visita de Lionel Messi e companhia

,AFC Ajax
Fotogaleria
Cristiano Ronaldo Reuters/MASSIMO PINCA
,AFC Ajax
Fotogaleria
Cristiano Ronaldo LUSA/ALESSANDRO DI MARCO
Futebol
Fotogaleria
Messi e Suárez Reuters/LEE SMITH
Fotogaleria
Messi Reuters/LEE SMITH

Aconteça o que acontecer esta noite na Arena Johan Cruijff, em Amesterdão, dificilmente será um resultado definitivo: Ajax e Juventus chegaram aos quartos-de-final da Liga dos Campeões graças a reviravoltas espectaculares, destroçando cada um deles o sonho de um emblema de Madrid de marcar presença na final que se disputa na capital espanhola a 1 de Junho. Os holandeses, em pleno Santiago Bernabéu, arrasaram o Real Madrid (1-4) invertendo a desvantagem que traziam do jogo em casa (1-2). E os italianos, inicialmente batidos no terreno do Atlético de Madrid (2-0), deram a volta à eliminatória com um hat-trick de Cristiano Ronaldo (3-0).

Essa foi, precisamente, a última ocasião em que o internacional português vestiu a camisola da Juventus. Após a grande noite europeia de 12 de Março, Cristiano Ronaldo lesionou-se ao serviço da selecção portuguesa e tem estado de fora desde então. Mas o regresso está por horas: “Cristiano esteve em campo, sorridente e aplicado durante o aquecimento. A infelicidade sofrida ao serviço de Portugal no dia 25 de Março parece definitivamente ultrapassada”, escrevia o diário desportivo italiano La Gazzetta dello Sport.

“Claro que vai ser bom termos a oportunidade de enfrentar o Ronaldo. Queremos defrontar os melhores”, afirmou o treinador do Ajax, Erik ten Hag, destacando a ausência de Chiellini nos convocados da Juventus: “É uma grande perda para eles. Trata-se de um jogador importantíssimo, mas têm outros defesas que podem ocupar o lugar dele”, sublinhou o técnico holandês, que não quis estabelecer uma comparação com o adversário anterior na Champions. “Não se podem comparar, esta Juventus e o Real que eliminámos nos oitavos-de-final, porque pertencem a dois países com duas culturas futebolísticas distintas. Nós temos a nossa e não a mudaremos garantidamente”, concluiu.

E, enquanto a Juventus procura a terceira presença nas meias-finais da Liga dos Campeões em cinco anos, a identidade poderá ser a chave para o Ajax voltar a marcar presença nas meias-finais, após uma ausência de mais de duas décadas. A última vez em que o Ajax esteve a um passo da final foi em 1996-97, mas caiu precisamente frente à Juventus. Os dois clubes tinham disputado a final da Champions na temporada anterior, em Roma, mas após o 1-1 os italianos viriam a impor-se nos penáltis (4-2). Era a desforra da Juventus, que em 1973 perdeu a final de Belgrado frente ao Ajax: um golo de Johnny Rep bastou para levar o troféu para Amesterdão.

Também às 20h, outra final da Liga dos Campeões será reeditada em Manchester. O United recebe o Barcelona, num duelo entre clubes com longo historial europeu – os ingleses já conquistaram o troféu três vezes, os espanhóis ostentam cinco. Confrontos directos na final da principal competição europeia de clubes foram dois, e ambos ganhos pelo Barcelona: em 2011 venceram em Wembley (3-1) e em 2009 triunfaram em Roma (2-0). A outra final disputada entre “red devils” e “blaugrana” remonta a 1991, na atribuição da Taça dos Vencedores das Taças, e o troféu ficou para o Manchester United.

Messi será a maior ameaça, mas o treinador dos “red devils” lembrou os obstáculos que a equipa (que também chegou aos quartos-de-final com uma reviravolta, frente ao PSG) já teve pela frente na presente temporada: “Não podemos focar-nos apenas nele, sabemos que jogam 11 contra 11. Ficamos contentes pela oportunidade, mas esta época já defrontámos a Juventus e o Cristiano Ronaldo, o PSG e o Mbappé. Luis Suárez, Philippe Coutinho e Messi vão exigir o melhor dos nossos defesas, veremos como se comportam”, apontou Ole Gunnar Solskjaer.

“Lembro-me do Ole como um grande companheiro de equipa. Eu tinha 17 anos e ele era um veterano, foi uma grande experiência treinar ao lado dele”, recordou o defesa do Barcelona Gerard Piqué, acrescentando: “Fico feliz por vê-lo ao leme do Manchester United. Tem feito um grande trabalho, ganhou muitos jogos e meteu-os a jogar muito melhor. Vai ser difícil, mas espero que possamos vencer.”