Comentário

Argélia: a fase dramática

Depois de sacrificar Bouteflika, o general Gaid Salah e os comandos do Exército meteram o travão a fundo e impuseram a aplicação do Artigo 102.º da Constituição.

Foto
Abdelkader Bensalah, Presidente interino da Argélia MOHAMED MESSARA/LUSA

A Argélia entra numa nova e perigosa fase, que pode resvalar para um confronto entre a “rebelião popular pacífica” e o poder militar, pilar do regime e que funda a sua legitimidade de “decisor em última instância” na guerra da independência.