Governo relançou a Indústria 4.0, a indústria pediu “um Estado 4.0”

Setenta e cinco por cento das empresas portuguesas estão alheadas da transformação digital. “Temos de pedalar mais do que os outros”, diz António Costa.

Fotogaleria
Empresas apresentaram ao Governo produtos e serviços que são exemplos de transformação digital na indústria OCTÁVIO PASSOS/LUSA
Fotogaleria
OCTÁVIO PASSOS/LUSA
Fotogaleria
OCTÁVIO PASSOS/LUSA
Fotogaleria
OCTÁVIO PASSOS/LUSA
Fotogaleria
OCTÁVIO PASSOS/LUSA

Se Portugal quer uma economia que cresça acima da média da União Europeia, e manter-se assim numa rota de convergência com as economias dos parceiros europeus, então tem “de pedalar mais do que os outros”. As palavras são do primeiro-ministro, António Costa, que foi a Guimarães, nesta terça-feira à tarde, realçar que o programa Indústria 4.0, para a digitalização da economia, é uma “oportunidade” para Portugal se colocar no “pelotão da frente”.

“Esta é a primeira revolução industrial em que Portugal pode partir na linha da frente”, disse Costa, porque uma economia mais digital não depende de “localização geográfica”. Nem de “matéria-prima”. E assenta em algo que Portugal tem – “conhecimento”. O Governo, como diria o ministro da Economia, Siza Vieira, estava ali para dar apoio através de políticas públicas, mas o que Portugal não tem, segundo uma das empresárias que foi convidada a dar o testemunho naquela sessão, é um Estado com tempos de resposta adequados às necessidades das empresas.

PÚBLICO -
Foto
O primeiro-ministro, durante a intervenção que fez na Universidade do Minho Octávio Passos/Lusa

“Devíamos ter um Estado 4.0 e não 2.0, que é aquilo que temos”, disse Sónia Calado, administradora da DRT, um grupo empresarial sediado em Leiria. Costa estava na plateia. O ministro da Economia, Siza Vieira também. E o presidente do IAPMEI, Nuno Mangas, idem. “Há muitos apoios, mas depois nas decisões é tudo muito lento. Quando se está um ano à espera de uma decisão, aquilo que era verdade no momento da candidatura já não é verdade no momento da implementação”, insistiu Sónia Calado. No hall do Edifício 1 da Universidade do Minho, em Azurém, ouviu-se um burburinho.

A empresária tinha tocado num nervo. E não largou: “Nas startups, isto está em velocidade cruzeiro. Mas falta tratar do intermédio. [O Estado] devia colaborar mais, estar mais próximo dos empresários. Os órgãos de decisão deviam visitar as empresas e não avaliar candidaturas só com base no que fica escrito. Ir ao chão de fábrica é muito importante.” Jorge Castro, da empresa Artnovion, insistiu neste ponto. “É preciso ir ver com os pés”, disse, pedindo aos decisores que se metam a caminho das fábricas.

Muito trabalho a fazer

Ao contrário da DRT, que começou como uma empresa do sector dos moldes, tem feito a transformação digital sozinha nos últimos 20 anos –garantiu Sónia Calado – e tem hoje 14 empresas (incluindo na área tecnológica), a maturidade digital das empresas portuguesas deixa muito a desejar. Os números mostrados por Jorge Portugal, director-geral da COTEC, indicam que 25% das empresas estão em velocidade cruzeiro no que toca à transformação digital – o que coloca a economia portuguesa no campeonato do meio. 

Dito de outra forma: 38% das empresas portuguesas têm muito baixa maturidade digital; 37% têm baixa maturidade digital. Contas feitas, 75% do tecido empresarial está alheado da nova “revolução industrial”. Nem António Costa nem Siza Vieira tentaram tapar o sol com a peneira. “Temos de fazer isto de forma muito mais massificada para poder ser transformador”, destacou o ministro da Economia. “Temos de dar escala, dar dimensão, replicar e fazer com que aquilo que hoje é um exemplo passe a ser a regra”, insistiu o primeiro-ministro.

Para chegar a essa meta, o Governo revelou os apoios e metas da segunda fase do programa Indústria 4.0, lançado em 2017, pela mão do então secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, que morreu em Março, aos 43 anos, e foi homenageado na sessão desta tarde.

Propondo mobilizar 600 milhões de euros de investimento em dois anos, o executivo vai “reestruturar a linha de crédito Capitalizar, destinando 100 milhões para o apoio à digitalização”. Uma mudança que resulta também das lições aprendidas com a primeira fase, que serviu para mobilizar e sensibilizar e “demonstrou que precisamos de uma resposta mais profunda”, como reconheceu o secretário de Estado da Economia, João Correia Neves, que também interveio na sessão.

Para tal, serão alargados os prazos das operações e de realização do investimento, bem como período de carência (dois anos em vez de um) e a bonificação da comissão de garantia. Além disso, Siza Vieira anunciou que acabam de ser lançados os avisos de programas de formação-acção, no valor de 70 milhões de euros, e um aviso do Sistema de Incentivos à Qualificação i4.0, no valor de 21 milhões, financiados pelo Compete 2020. 

Através de 11 medidas distribuídas por três eixos de intervenção (Capacitar, Generalizar e Assimilar), o Governo quer usar o Indústria 4.0 para requalificar 200 trabalhadores na próxima década, envolver 20 mil das 400 mil empresas portuguesas na transformação digital e ajudar a pôr em prática 350 “projectos transformadores”. A concretização destas metas, como salientou António Costa, permitirá só por si “aumentar em 1,8% o valor do Produto Interno Bruto” e “dar o salto que queremos na convergência com a União Europeia”.

PÚBLICO -
Foto
Em Guimarães mostraram-se soluções para a indústria 4.0 Octávio Passos/Lusa

Antes da apresentação do programa, a comitiva governamental contactou com diferentes empresas que exibiram em Guimarães produtos e serviços concebidos para a indústria 4.0 – incluindo a ferramenta Shift to 4.0, com a qual todas as empresas podem fazer um autodiagnóstico da maturidade digital. A cidade anfitriã, por seu lado, divulgou a parceria que estabeleceu com empresários locais e a Universidade do Minho, no projecto i9G, para a criação de uma Academia Industrial que facilite a formação de pessoas e a transferência de conhecimento da academia para a economia. Esta academia ficará sediada em Pevidém, uma vila que há três décadas tinha algumas das maiores empresas têxteis do país.