Forças especiais de Moçambique tomam base insurgente e capturam membros

Dois soldados moçambicanos morreram após um ataque de grupos armados a uma base militar em Maculo, na sexta-feira passada.

Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique
Foto
Filipe Nyusi, Presidente de Moçambique Hannibal Hanschke

As forças de defesa e segurança de Moçambique capturaram no sábado membros de grupos armados que têm atacado o norte do país, após tomarem uma das suas bases, anunciou o Presidente da República no domingo.

O chefe de Estado, Filipe Nyusi, discursava em Maputo por ocasião das celebrações do Dia da Mulher Moçambicana, quando saudou a “operação” que forças especiais realizaram no sábado, em que “atingiram uma base de malfeitores” no distrito de Macomia, província de Cabo Delgado.

As forças do Estado assaltaram a base “depois de dois combates” e conseguiram capturar membros dos grupos e recuperar bens, referiu, sem mais detalhes.

O anúncio do Presidente moçambicano foi feito depois de, na sexta-feira, ter sido noticiado que dois soldados moçambicanos morreram após um ataque de grupos armados a uma base militar em Maculo, distrito de Mocímboa da Praia, na mesma província de Cabo Delgado.

O ataque durou perto de 15 minutos e ocorreu na noite de terça-feira, disseram fontes locais citadas pelo jornal electrónico Carta de Moçambique.

Segundo as fontes, além de matar dois soldados, o grupo roubou uma “quantidade significativa” de material bélico, além de alimentos e uniformes militares.

Desde Outubro de 2017, os ataques de grupos armados não identificados em Cabo Delgado, que tiveram origem em mesquitas, já provocaram, pelo menos, 150 mortos.

Sugerir correcção