Opinião

Não como nada com aditivos, prefiro encher-me de açúcar e gordura

Ninguém aumenta de peso porque ingere muitos aditivos, mas sim porque come muitas calorias provenientes de açúcar e gordura de alguns alimentos que também possuem esses aditivos.

Gumdrop
Foto
Rui Gaudêncio

Hoje, estamos cada vez mais preocupados com o que comemos e as palavras “químicos”, “processados” e “aditivos” alimentares ganharam uma conotação bastante negativa. Ao mesmo tempo, existe uma procura quase obsessiva por tudo o que é orgânico/biológico, sem lactose, sem glúten, sem OGM (organismos geneticamente modificados) e mais recentemente sem glifosato, quando nenhuma destas características de um alimento o torna mais rico em termos nutricionais ou mais seguro (à excepção de intolerantes à lactose e doentes celíacos na questão da lactose e do glúten, respectivamente).

Quanto aos “químicos”, é preciso ter noção de que tudo é químico. A começar pela água (H2O) e todos os outros alimentos “naturais”. Se os fanáticos “antiquímicos” com o argumento bacoco de “não comer nada que não saibamos pronunciar os ingredientes” atentassem na composição química de alimentos saudáveis como um morango ou um mirtilo, ficariam certamente muito surpreendidos. Também com o “processamento” existe uma concepção errada, pois é o processamento dos alimentos que nos permite tê-los à nossa disposição durante mais tempo, mais baratos, com maior preservação de nutrientes e principalmente com maior segurança alimentar. Quem vive (e chora) de barriga cheia num ambiente de abundância alimentar pode dar-se ao luxo de querer ter uma alimentação baseada quase a 100% em alimentos frescos com o mínimo de aditivos (o que de resto é encorajado por todos os nutricionistas e instituições de saúde). O que já não se pode encorajar é a demonização e a promoção do medo no consumo de muitos destes alimentos, até porque se configuram como alternativas essenciais não só no quotidiano de quem viaja muito em trabalho e precisa de opções práticas e ready-to-eat (proteína em pó e barras proteicas) ou até em situações de catástrofe, como se observa agora em Moçambique, com papas e biscoitos enriquecidos.

Quando se espalha este alarmismo para o contexto do emagrecimento, o efeito pode ser até o reverso. O que tem maior impacto na nossa saúde é sempre a composição nutricional de um alimento, seja ele processado ou não. Como tal, por mais “natural” que seja um alimento, ele pode ser um absurdo de açúcar e gordura (por exemplo uma tigela de açaí com iogurte grego biológico, granola sem glúten com óleo de coco e banana ou manteiga de amendoim biológicas). Ninguém aumenta de peso porque ingere muitos aditivos, mas sim porque come muitas calorias provenientes de açúcar e gordura de alguns alimentos que também possuem esses aditivos. Se uma criança come gomas, o principal problema é o açúcar, não os corantes. Se come batatas fritas de pacote com sabor a presunto, o principal problema é o sal e a gordura (e no limite a acrilamida, potencial carcinogénico), não os aromatizantes que lhe conferem esse sabor. Um exemplo de nutriente a evitar a todo o custo e que não é um aditivo são os ácidos gordos trans, que estão presentes no mercado português principalmente na manteiga e produtos de pastelaria (que ainda assim já seriam maus de si pela excessiva quantidade de calorias, gordura e açúcar que possuem).

O medo excessivo dos aditivos alimentares e a cedência à falácia naturalista de que tudo o que não é 100% natural não é bom é algo que não faz sentido hoje e que pode até privar a pessoa de ter algum prazer na sua alimentação. No momento actual e a reboque de correntes mais fundamentalistas na alimentação, parece que é quase um sacrilégio comer alimentos processados ou com açúcar. É preciso perceber que os famosos “E’s” correspondem a aditivos permitidos na Europa e com o seu respectivo nível aceitável de ingestão diária bem estabelecido. Foi precisamente para regulamentar os aditivos alimentares e banir substâncias tóxicas que outrora estiveram presentes nos alimentos (por exemplo o tetróxido de chumbo em guloseimas) que se criaram estes “E’s” que hoje em dia continuam a ter uma imagem negativa para muitas pessoas, apesar de alguns deles até acrescentarem valor nutricional ao produto. Aqui ficam alguns exemplos: E300 – Vitamina C; E101 – Vitamina B2; E160a – Beta-Caroteno/Pro-vitamina A.
Logicamente que existem alguns aditivos que não são completamente inertes no nosso organismo e a nossa exposição aos mesmos convém que seja a menor possível. Principalmente em crianças, alguns corantes como a tartrazina (E102), amarelo-sol (E110), vermelho AC (E129), amarelo-quinoleína (E104), vermelho-cochonilha (E124), bem como o conservante benzoato de sódio (E211) foram associados a um aumento da hiperactividade e défice de atenção.

Também com os edulcorantes e polióis presentes em alimentos como gelatinas, refrigerantes light, barras e pós proteicos, há que ter um consumo consciente. As suas vantagens são bem maiores do que os efeitos secundários, pois acrescentam sabor doce à custa de poucas ou nenhumas calorias, sem elevações na glicemia e sem aumentar o risco de cárie dentária. Ainda assim, em excesso podem ter um efeito negativo a longo prazo na flora intestinal (no caso dos edulcorantes) e induzir um aumento de flatulência, cólicas abdominais e diarreia (no caso dos polióis), estes últimos podem até ser uma estratégia válida para combater problemas de obstipação.

Em suma, uma alimentação perfeita não estará logicamente cheia de alimentos processados, mas é importante perder o medo do desconhecido e reconhecer que estes produtos podem ser muito válidos, úteis e acima de tudo convenientes seja na perda de massa gorda, seja no aumento de massa muscular, para além de nos permitirem ter uma alimentação mais doce com muito menos calorias. Encontrar snacks proteicos com pouca gordura e hidratos de carbono mas ao mesmo tempo saborosos é uma tarefa quase impossível, daí que a demonização deste tipo de produtos não faça sentido nos dias que correm.