Carlos Amado da Silva é o novo presidente da Federação de Rugby

Depois de ter sido derrotado nas anteriores eleições, o líder do organismo entre 2010 e 2015 foi reeleito para o quadriénio 2019-23.

Foto
Pedro Maia

Carlos Amado da Silva, presidente da Federação Portuguesa de Rugby (FPR) entre 2010 e 2015, foi nesta quinta-feira reeleito como homem forte do râguebi português, depois de ter perdido as eleições realizadas em 2015. Na assembleia eleitoral para a eleição dos Órgãos Sociais da FPR para o quadriénio 2019-23, que decorreu em Lisboa, a Lista A, encabeçada pelo antigo presidente de Agronomia, recolheu 59 votos, enquanto a lista B, liderada por Lourenço Fernandes Thomaz, teve 41 votos e um branco. 

Com uma experiência de mais de três décadas como dirigente, Carlos Amado da Silva, de 71 anos, falhou a reeleição em 2015 após ser derrotado por Luís Cassiano Neves por uma diferença de três votos, mas desta vez acabou por ser escolhido pelos clubes nacionais, vencendo a lista B, de Fernandes Thomaz, antigo presidente do CDUL. No regresso à liderança da FPR, Amado da Silva terá como vice-presidentes Ricardo Nunes, Francisco Martins, Luís Canogia, Luís Sarmento, João Pereira de Faria e José Saraiva Marques.

Tendo como lema “unir o râguebi rumo ao futuro” durante a campanha, a federação irá recorrer a um empréstimo bancário e deslocalizar para o Estádio Nacional os serviços da FPR. Outra das medidas defendidas é o alargamento da principal divisão do campeonato português para 12 clubes — actualmente são oito as equipas que disputam a Divisão de Honra. 

O novo presidente da FPR anunciou também que irá aumentar a aposta na selecção de sevens com o objectivo de recolocar Portugal no Circuito Mundial, e reactivar os “Lusitanos”, equipa formada por jogadores portugueses que irá competir nas provas internacionais de clubes organizadas pela Rugby Europe. Sobre a permanência de Martim Aguiar na selecção de XV e António Aguilar na selecção de sevens, Amado da Silva não foi conclusivo, afirmando que tudo estará “naturalmente condicionado aos resultados desportivos conseguidos”.