Torne-se perito

Cinemateca tem modelo de negócio para laboratório e pensa cenários para futuro

A informação foi avançada esta quarta-feira pela direcção da Cinemateca aos deputados da comissão parlamentar de Cultura que fizeram uma visita oficial às instalações do organismo cultural, em Lisboa.

,Cinemateca Portuguesa
Foto
Cinemateca gmw guilherme marques

A Cinemateca Portuguesa criou um modelo de negócio para manter e rentabilizar o laboratório fílmico, “que está à beira da ruptura”, e vai analisar qual o melhor modelo de gestão do organismo, disse esta quarta-feira a direcção da instituição.

A informação foi avançada esta quarta-feira pela direcção da Cinemateca aos deputados da comissão parlamentar de Cultura que fizeram uma visita oficial às instalações do organismo cultural, em Lisboa.

Segundo o director, José Manuel Costa, o Ministério da Cultura deu parecer favorável a uma proposta apresentada pela Cinemateca para “salvar o laboratório” de restauro fílmico, localizado no Arquivo Nacional de Imagens em Movimento (ANIM), em Bucelas, e que aguarda confirmação do Ministério das Finanças.

A Cinemateca espera que a salvaguarda do laboratório, o único na Península Ibérica, possa ser garantida nos próximos meses. É uma “salvação de último minuto do laboratório”, disse.

“É uma unidade muito especializada, pequena, muito específica, cuja manutenção é muito dificultada por causa da questão das regras de contratação. [O modelo de negócio proposto] é uma oportunidade imensa que vem da possibilidade de podermos fornecer serviços especializados para parceiros internacionais”, afirmou o director da Cinemateca à agência Lusa, no final da visita dos deputados.

José Manuel Costa explicou que objectivo é que o laboratório passe a ser uma entidade de direito privado gerida pela Cinemateca, para que possa vender mais serviços especializados a parceiros internacionais que já não têm aquela valência de restauro de película.

“Nós estamos inseridos, nacional e internacionalmente, numa área que só nós é que representamos. Esta conjugação da conservação e a difusão patrimonial do cinema implica toda uma série de valências muito específicas e também necessidades e oportunidades com o contexto actual”, sublinhou o director.

Aos deputados, José Manuel Costa e o subdirector, Rui Machado, revelaram ainda que vão criar um grupo de trabalho para “exaustivamente ver vários modelos de funcionamento da Cinemateca”, porque a tutela descartou a proposta apresentada em Maio de 2018, de transformação em fundação pública de direito privado.

“Neste momento não é previsível que, no horizonte de curto prazo, mesmo na nova legislatura, haja para já abertura para pensar numa fundação, mas há abertura para pensar noutras soluções orgânicas. Para nós é uma tarefa urgente o estudo detalhado dos vários cenários possíveis”, disse José Manuel Costa à Lusa.

Há muito tempo que a actual direcção tem alertado para a ineficácia do actual modelo de instituto público da Cinemateca, por “falta de flexibilidade administrativa” na gestão corrente, por “uma carga burocrática específica” e por constrangimentos legais, por exemplo, para a contratação de trabalhadores muito especializados.

Reconhecendo o “intensíssimo diálogo” e entendimento com a actual ministra da Cultura, Graça Fonseca, sobre o futuro da Cinemateca, José Manuel Costa e Rui Machado reconheceram que a solução para o organismo terá de ser pensada a longo prazo.

“Vamos equacionar todas as possibilidades e quais as vantagens e desvantagens relativamente à questão da burocracia, das aquisições. E há uma componente política associada. Nesta fase é importante a componente técnico-jurídica: O que é que se pode obter de cada um dos cenários possíveis”, disse Rui Machado à Lusa.

A visita da comissão parlamentar de Cultura aos espaços da Cinemateca contou com a participação de deputados do PS, PSD e PCP.

O actual director da Cinemateca Portuguesa, José Manuel Costa, e o subdirector, Rui Machado, foram reconduzidos em Março por mais cinco anos.

A decisão de recondução aconteceu numa altura em que a Cinemateca assinala 70 anos e a actual direcção reclama mais meios e melhores condições no trabalho de preservação e divulgação do património cinematográfico.

Em Janeiro deste ano, a ministra da Cultura admitiu no parlamento que estava empenhada em “dotar a Cinemateca Portuguesa das condições necessárias para o cumprimento da sua missão”.

“Queremos definir um novo modelo de funcionamento que agilize e autonomize o laboratório, um dos únicos no mundo, através de uma política responsável que potencie o conhecimento e experiência dos seus profissionais, se possa constituir como fonte de receita própria e, finalmente, saiba estar à altura do tanto que a Cinemateca tem para oferecer à memória do país”, disse.