Um livro sobre o Pinhal Interior por quem lá escolheu viver (e quer mostrar o porquê)

Um grupo de jovens da região Centro vai lançar um livro com uma outra perspectiva sobre o interior de Portugal, que se desdobra entre práticas de sustentabilidade e um guia de viagens para descobrir lugares selvagens no Pinhal Interior

Foto
Wildlings

Os Wildlings — como se auto-intitulou um grupo de jovens portugueses e estrangeiros a residir no interior do país ​— vão lançar um livro onde tanto exploram a biodiversidade do país e soluções para garantir um futuro mais sustentável para o território, como lançam um convite para se conhecerem lugares que ainda permanecem selvagens na região do Pinhal Interior. 

Na primeira parte do livro bilingue, que já está em pré-venda, o grupo aborda os erros que contribuíram “para as questões ecológicas” que hoje são colocadas, tanto a nível local, no interior do país (recorrentemente assolado pelos incêndios), como à escala global.

A obra, que contou com a participação de jovens residentes na região e de uma equipa de design e fotografia da Holanda, explora também “soluções e práticas regenerativas e circulares” que podem ser aplicadas por forma a criar-se “um futuro mais sustentável e um habitat seguro para humanos e animais selvagens”.

Já a segunda parte é dedicada a um guia de viagens pelos “lugares selvagens que ainda existem na região do Pinhal Interior”, onde são apresentadas cascatas, “piscinas paradisíacas, rios rochosos e outros lugares onde as pessoas ainda podem ter uma ideia do que é a natureza selvagem”. Apesar de na região haver várias praias fluviais, o livro procura fugir desses lugares “domesticados” e mostrar piscinas e cascatas naturais ainda selvagens.

“Além da urgência de reordenar o nosso planeta e paisagens”, o grupo aponta para a necessidade de se criar uma ligação “mais profunda” com o ambiente natural, para que possa ser protegido e conservado, refere a nota de imprensa.

Foto

No âmbito desse guia, são apresentadas propostas de itinerários de viagens de quatro dias por alguns dos lugares favoritos destes jovens.“Se nós queremos estabelecer uma relação mais harmoniosa com o ambiente natural, precisamos de nos conectar com a natureza a um nível emocional mais profundo. Nós só podemos proteger o que amamos. Por um lado, este livro é um convite às pessoas para descobrir áreas selvagens que permanecem no Pinhal Interior. Por outro lado, é também importante compreender o impacto do nosso comportamento destrutivo”, afirmou à Lusa Lynn Mylou, um dos membros do projecto.

A jovem holandesa, a viver no concelho de Arganil, salienta que os incêndios, cheias e temperaturas extremas “são apenas expressões da natureza de que se criou um desequilíbrio severo no ecossistema”. Nesse sentido, o livro procura chamar a atenção para esses problemas, querendo, acima de tudo, ligar as pessoas à natureza, “idealmente, com o mínimo de distracções possível”.

O livro está já disponível para pré-venda online (15 euros). Para além do livro, o projecto Wildlings, que contou com financiamento do Fundo Ambiental, desenvolveu também uma série de vídeos sobre jovens que optaram por trocar o ambiente urbano pelo meio rural, na região do Pinhal Interior, no centro do país.