Gaia vai criar regulamento para limitar alojamento local no concelho

A câmara de Gaia vai estudar como criar limitação ao recurso a alojamento local através de “contingentes de casas por zonas estratégicas” para “evitar que moradores sejam expulsos porque os senhorios querem converter habitações em quartos para turismo”.

Bicicleta de estrada
Foto
Paulo Pimenta

A câmara de Vila Nova de Gaia vai criar um regulamento para limitar os licenciamentos de alojamento local no concelho, anunciou esta segunda-feira o presidente, que admitiu que está a assistir-se a uma “expulsão de moradores em zonas históricas”.

Eduardo Vítor Rodrigues, que falava aos jornalistas no final de uma reunião de câmara descentralizada que decorreu em Avintes, apontou que as zonas de Gaia, distrito do Porto, actualmente mais cobiçadas são o centro histórico e a entrada da ponte D. Luís I, junto ao jardim do Morro.

De acordo com o autarca socialista, a câmara vai estudar como criar limitação ao recurso a alojamento local através de “contingentes de casas por zonas estratégicas” e isto para, disse, “evitar que moradores sejam expulsos porque os senhorios querem converter habitações em quartos para turismo”.

“O que está a acontecer é uma expulsão de pessoas. Neste momento não está a existir equilíbrio no mercado. Verificamos um apetite algo predatório com o qual não podemos pactuar quando existem famílias com dificuldade em encontrar casa, mesmo famílias de classe média”, referiu o autarca.

O regulamento que Eduardo Vítor Rodrigues conta ter pronto “dentro de cerca de 15 dias” inclui regras de limitação do alojamento local e vai para o terreno a par de outras medidas que visam a habitação de renda acessível, como um projecto que a autarquia anunciou 21 de Janeiro, altura em que estimou que espalhadas por várias freguesias venham a existir entre 400 a 500 habitações com este fim.

O concurso para o conjunto habitacional dos Arcos do Sardão deverá ser lançado este mês, disse esta tarde o presidente da câmara, confirmando que os valores serão de 150 euros para um T1, 200 para um T2 e 250 para um T3.

Esta segunda-feira também foi anunciado que a câmara de Gaia vai disponibilizar 50 mil euros para ajuda a Moçambique, no âmbito das campanhas solidárias que estão a ser mobilizadas após a passagem do ciclone Idai que causou a destruição de cerca de 500.000 hectares de culturas diversas nas províncias afectadas no centro moçambicano, segundo dados da organização, enquanto o Governo moçambicano estima em 669.000 os hectares afectados.