Violência doméstica

Vítima de violência doméstica: “Devem estar à espera que eu seja morta para mudar a medida de coacção”

Ana espera há seis meses pelo avanço da queixa que apresentou contra o ex-marido por violência doméstica. É ele que continua a residir na morada de família, enquanto o processo se arrasta sem que as autoridades comuniquem entre si. A GNR deu-lhe um "botão de pânico". Ana espera conseguir premi-lo a tempo.