Aprender a pedalar vai fazer parte do currículo escolar

Foco nas crianças e jovens em idade escolar quer “criar condições para uma mudança drástica de comportamentos nas novas gerações”.

Foto
“As crianças têm uma capacidade de sensibilização enorme” Adriano Miranda

Aprender a pedalar será, nos próximos anos, obrigatório para as crianças a partir do ensino básico. A estratégia do Governo vai ao encontro de uma ideia quase consensual: a de fazer das crianças força de mudança de comportamentos. José Mendes, Secretário de Estado Adjunto e da Mobilidade, recorda o que se passou com a reciclagem para explicar a mais recente aposta, agora no que a mobilidade diz respeito. A contaminação, esperam, será grande.

“As crianças têm uma capacidade de sensibilização enorme”, disse ao PÚBLICO. A “pedagogia” à boleia dos mais novos, que no caso da mobilidade e ambiente abarca uma quase “alteração de paradigma”, pode ser uma forma de fazer quem está à volta “copiar” comportamentos. “Todos os alunos terão a oportunidade de aprender a pedalar, num processo de formação faseado ao longo dos vários níveis de escolaridade”, lê-se na Estratégia Nacional para a Mobilidade Activa apresentada nesta quinta-feira. No 1º ciclo as aulas serão em contexto protegido, nos 2º, 3º ciclos e secundário haverá uma passagem para o espaço público.

Este foco nas crianças e jovens em idade escolar quer “criar condições para uma mudança drástica de comportamentos nas novas gerações”. Em resumo: “A educação para a mobilidade activa e sustentável, e para a cidadania rodoviária será providenciada a partir do pré-escolar, e continuada nos níveis seguintes, incentivando o uso partilhado e responsável do espaço público.” E essa formação será “teórica e prática”, reforça José Mendes. “Hoje vemos muita falta de cidadania rodoviária”, lamenta, e a aposta passa, por exemplo, por “ensinar regras” ou conceitos como “condução defensiva”. Tanto a ciclistas como a futuros condutores de automóveis.

Por causa da aposta nos mais novos, está a ser estudado o “alargamento da cobertura do seguro escolar”, havendo a possibilidade de incluir protecção nos acidentes que envolvem alunos que se deslocam para a escola com velocípede.

Os adultos que não sabem pedalar não ficam, ainda assim, de fora. Haverá um “quadro de referência nacional para ensinar a pedalar”, com “desenvolvimento de competências para pedalar em condições de conforto e segurança, em contexto protegido (nível básico) e em meio rodoviário (nível avançado)”. E aqui será preciso, também, formar e certificar monitores.

O “aperfeiçoamento” do Código da Estrada implica também uma parte formativa. A formação para obter uma carta de condução de veículos motorizados terá uma “sólida componente específica orientada para a protecção dos utilizadores mais vulneráveis da rodovia, e para a redução progressiva e generalizada da sinistralidade”.

Outra forma de intervenção é junto de pessoas com deficiência. Porque a actividade física e um estilo de vida saudável são importantes factores de reabilitação e integração e favorecem a auto-estima e autonomia destas pessoas, serão “garantidas condições apropriadas para aprender a pedalar e para a prática em contexto de recreio ou de deslocações quotidianas”. Como? Com “empréstimo de bicicletas, cadeiras de rodas e disponibilização de outros equipamentos adaptados, particularmente em contexto escolar e em instituições do sector”, lê-se no documento.