Risco de embolia pulmonar em medicamento para artrite reumatóide, alerta Infarmed

O medicamento é o Xeljanz, receitado para artrite reumatóide, e os riscos foram identificados num estudo preliminar que não abrange Portugal.

Foto
Imagem de uma caixa de Xeljanz DR

O Infarmed alertou esta quinta-feira para o risco de embolia pulmonar associado ao aumento da dose do medicamento Xeljanz, para a artrite reumatóide, e pede que médicos e doentes estejam atentos aos sintomas.

Numa nota publicada no site, a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos em Saúde diz que este risco foi identificado nos resultados preliminares de um estudo para avaliação do risco cardíaco ou circulatório associado ao Xeljanz (tofacitinib), que ainda está a decorrer e não abrange Portugal.

“Os resultados preliminares deste estudo revelaram um aumento do risco de embolia pulmonar em doentes que tomaram 10mg de tofacitinib duas vezes ao dia”, informa o Infarmed, que aconselha os doentes a não deixarem de tomar o medicamento antes de falar com o médico.

A entidade refere ainda que o fármaco está autorizado, na União Europeia, para o tratamento de adultos com artrite reumatóide moderada a grave, artrite psoriática e colite ulcerosa moderada a grave e que, dependendo dos casos, a dosagem recomendada é diferente.

Por exemplo, enquanto para a artrite reumatóide e artrite psoriática a posologia aprovada é de 5mg duas vezes ao dia, para a colite ulcerosa o tratamento inicial é de 10mg duas vezes por dia.

Até que o estudo esteja concluído, o Infarmed recomenda aos profissionais de saúde que, no tratamento da artrite reumatóide Xeljanz (tofacitinib), prescrevam apenas a dose de 5mg, duas vezes ao dia, e que informem os doentes dos sintomas a que devem estar atentos.

“A Pfizer, em articulação com a EMA [Agência Europeia do Medicamento] e com o Infarmed, iniciou nesta quinta-feira a divulgação de uma comunicação dirigida aos profissionais de saúde com informação sobre os resultados preliminares do estudo e das actuais recomendações relativas ao tratamento”, escreve a Autoridade do Medicamento.

Aconselha ainda os doentes a não interromperem o tratamento nem a alterarem a dose sem falar com o médico e a tomarem atenção a sintomas como dificuldades respiratórias, dor no peito ou na parte superior das costas, tosse com sangue, transpiração excessiva ou pele azulada.

Sugerir correcção