CP acaba com comboio turístico na linha do Douro

Empresa alega falta de rentabilidade do comboio Miradouro e vai encostar nas oficinas de Contumil carruagens que tinham sido recuperadas para potenciar turismo ferroviário.

Foto
ADRIANO MIRANDA / PUBLICO

Dois anos depois de ter sido criado, o Comboio Miradouro vai ser descontinuado. A composição formada por carruagens suíças dos anos 50, com espaços amplos e janelas que se podem abrir para melhor apreciar a paisagem, vai recolher às oficinas de Contumil onde já esteve oito anos parada depois de ter sido recuperada para fazer o antigo Comboio do Vinho do Porto.

“A CP constatou que a procura, na linha do Douro, continuou a concentrar-se nos comboios realizados com Automotoras UTD 592, indicando que o mercado não terá valorizado o Comboio Miradouro”, diz fonte oficial da empresa.

“Mesmo considerando um cenário de lotação completa, este comboio gera prejuízo para a CP, dada a logística necessária à sua produção”, acrescentou a mesma fonte. Por isso, a empresa vai uniformizar a sua oferta na linha do Douro com as automotoras espanholas alugadas à Renfe. Um material que dispõe de ar condicionado (ao contrário do Miradouro), mas que não permite desfrutar da paisagem que é, sobretudo no Verão, o principal motivo de viagem dos clientes da CP naquela linha.

A empresa sublinha que “as automotoras 592 garantem menores custos produtivos, melhor resultado económico, menor consumo energético e menor consumo de recursos humanos, pelo que é a solução que mais contribui para criar valor económico para a CP”.

José Manuel Gonçalves, presidente da Câmara da Régua, diz que não sabia desta decisão da CP e que vai pedir explicações por escrito ao presidente da empresa porque não entende esta falta de respeito pelo Douro.

“Tenho a lamentar que acabem com este comboio porque era mais valor acrescentado para o turismo do Douro, que ainda por cima está a crescer”, disse o autarca, acrescentando que “é mais uma vez o interior do país a ficar penalizado”.

José Manuel Gonçalves diz que para o litoral os projectos de interesse público e social que dão prejuízo são suportados pelo Orçamento do Estado, mas que “no interior só impera a lógica do custo-benefício”. O presidente da Câmara defende que a CP, enquanto empresa pública, tem o dever e a obrigação de manter este tipo de serviços que promovem o turismo ferroviário e a região do Douro e não os descontinuar ao fim de dois anos.

Luís Pedro Martins, presidente do Turismo do Porto e Norte, diz que esta é uma decisão que prejudica a região. “Nós temos um bom momento ao nível turístico na região Norte, mas ainda com uma concentração na Área Metropolitana do Porto e, obviamente, tudo o que sejam medidas que prejudiquem a possibilidade de levar os turistas mais longe não ajudam a estratégia que pretendemos ter que é precisamente distribuir esses fluxos por toda a região”, disse ao PÚBLICO.

Este responsável constata que grande parte dos turistas que demandam a região não vêm de carro nem querem alugar carro, pelo que os transportes públicos são essenciais para a sua mobilidade, sendo o comboio determinante para penetrar no vale do Douro.

“Tenho sérias dúvidas sobre o argumento da CP de que o comboio não é rentável”, acrescentou, recordando que a região recebe 4,3 milhões de turistas por ano, 75% deles na zona do Porto e que o comboio Miradouro permite não só o transporte para o interior, como também vivenciar uma experiência de viagem diferente e muito apelativa.

António Brancanes dos Reis, presidente da APAC (Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos-de-ferro), diz que o fim do Miradouro “é um erro do ponto de vista comercial”.

As carruagens Schindler

“Este comboio tem tido enorme adesão do público porque as carruagens Schindler proporcionam ao público desfrutar da paisagem do Douro pela possibilidade de abertura das janelas, e porque os próprios horários permitiam que fosse utilizado pelos turistas para um passeio com almoço na Régua ou no Pinhão”, disse.

O dirigente da APAC diz que a CP ignora a procura por motivos turísticos no Douro e que “não faz sentido enfiar os passageiros que querem apreciar a paisagem dentro de automotoras antigas e desconfortáveis a espreitar o rio com o nariz encostado ao vidro da janela”.

As carruagens Schindler fizeram parte, durante décadas, da geografia ferroviária do Douro e deixaram de operar no final dos anos 90. Em 2004, a CP gastou um milhão de euros para recuperar oito carruagens para o Comboio do Vinho do Porto, que acabou por ser descontinuado pouco tempo depois. A composição ficou oito anos abandonada em Contumil, até que em 2017 a CP volta a investir na sua recuperação para criar o Miradouro, um comboio turístico low cost que pretendia também responder ao pico de procura do Verão

Nesse ano a composição começou por circular entre o Porto e o Tua, mas em 2018 a empresa encurtou o seu trajecto até à Régua, diminuindo a parte do trajecto em que este circula à beira do Douro e que constitui o principal motivo de atracção para os turistas.

Inesperadamente, devido às obras entre Caíde e Marco que decorrem desde Dezembro passado, esta composição seria aproveitada para assegurar na íntegra o serviço regular no Douro entre Marco de Canavezes e Pocinho nos últimos quatro meses. O aspecto “vintage” deste material, bem como a possibilidade de se poder viajar com as janelas abertas, tem atraído neste período centenas de passageiros, incluindo grupos de estrangeiros que viajaram ao Douro expressamente para viajar nestas carruagens.