Monsanto condenada a pagar mais de 70 milhões de euros por cancro ligado a herbicida

Tribunal federal norte-americano considera que a exposição ao herbicida Roundup, que contêm glifosato, contribuiu para o desenvolvimento de um linfoma não-Hodgkin a um doente. Esta já é a segunda vez que a empresa alemã é condenada, mas vai recorrer da decisão.

Foto
Herbicida Roundup que contêm glifosato STEFFEN SCHMIDT/LUSA

A empresa agro-química Monsanto foi condenada esta quarta-feira pelo tribunal federal de São Francisco (Estados Unidos da América) a pagar 71,8 milhões de euros (81 milhões de dólares) a um cidadão norte-americano com um linfoma não-Hodgkin. A empresa adquirida pela alemã Bayer no ano passado foi acusada de não ter informado o cliente do risco potencialmente cancerígeno do herbicida Roundup, que contém glifosato. A Bayer anunciou que vai recorrer da sentença, mas os efeitos desta decisão judicial já foram sentidos: as acções da empresa afundaram mais de 10%, atingindo o seu nível mais baixo em mais de seis anos.

Edwin Hardeman, de 70 anos, utilizava o herbicida Roundup há mais de três décadas na sua propriedade no condado de Sonoma, na Califórnia. Em 2015 foi diagnosticado com um linfoma não-Hodgkin, um tipo de cancro que se desenvolve no sistema linfático e pode afectar várias partes do organismo. O tribunal federal norte-americano considerou que a exposição a este herbicida foi um “factor substancial” no desenvolvimento do cancro deste doente, refere o jornal Le Monde. Esta não é a primeira vez que a empresa alemã é obrigada a pagar uma indemnização: em Agosto de 2018 a Bayer foi condenada a pagar 251 milhões de euros a um jardineiro a quem também foi diagnosticado um linfoma não-Hodgkin, nessa altura a empresa também recorreu da sentença.

A agro-química continua a defender o seu produto e a negar que o glifosato possa ser perigoso para a saúde humana. A Bayer afirmou ainda que “o veredicto não muda o peso de mais de 40 anos de ciência, nem os resultados dos reguladores em todo o mundo que argumentam que os herbicidas com glifosato são seguros e não-cancerígenos”, citado pela Agência Reuters.

Apesar da idade avançada e do historial de hepatite C (uma condição que pode aumentar o risco de desenvolver este tipo de cancro) a gigante alemã foi considerada culpada. A decisão do tribunal federal norte-americano foi também influenciada pelo facto de existirem também cerca de 700 queixas semelhantes pendentes no mesmo tribunal e 11.000 casos idênticos já em andamento nos Estados Unidos da América. No entanto, a empresa alemã acredita que esta condenação não vai afectar o rumo dos casos ainda por julgar, alegando que “cada um é marcado pelas suas próprias circunstâncias, legais e factuais”, afirmou ao Le Monde.

O glifosato é um dos herbicidas mais utilizados em Portugal e no mundo por ser um produto de baixo custo e eficiente no combate às ervas daninhas. A autorização de comercialização na União Europeia deste herbicida está em vigor até 2022. Apesar do sucesso de vendas, o glifosato já foi alvo de várias polémicas e os seus efeitos para a saúde humana e para o ambiente continuam a ser discutidos.

Em Março de 2015, a Agência Internacional para a Investigação do Cancro da Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou que o herbicida era genotóxico e “provavelmente” um carcinogénico, levando a preocupações a nível mundial sobre o perigo desta substância para a saúde humana. Porém, em 2017, os Estados-membros aprovaram a proposta da Comissão Europeia para a renovação da licença de uso do glifosato por mais cinco anos, até 15 de Dezembro de 2022. Segundo um outro estudo publicado à data na revista Science of the Total Environment e citado por associações ambientalistas, Portugal é o país europeu mais contaminado por este herbicida. 

Já em Janeiro deste ano, veio a público que o relatório encomendado pela União Europeia sobre os riscos da utilização de glifosato (e que foi decisivo para a tomada de decisão que autorizou o herbicida na Europa em 2017) foi copiado de um documento que a Monsanto e os seus parceiros industriais, produtores da substância, entregaram às autoridades europeias.

O linfoma não-Hodgkin (LNH) afecta sobretudo pessoas com idades avançadas e é mais predominante em homens do que mulheres, representando mais de 80% dos casos de linfoma. Ao longo dos últimos anos, a incidência deste tipo de cancro na população tem vindo a aumentar.