Há 1600 lugares para carros que vão ser dados às bicicletas

Autarquia lisboeta diz querer continuar a incentivar os modos de mobilidade suave para diminuir a preponderância do automóvel na cidade.

Foto
Margarida Basto

A câmara de Lisboa quer ter estacionamento para bicicletas, trotinetes e motas em cada quarteirão de algumas zonas da cidade, o que implicará eliminar cerca de 1600 lugares de estacionamento automóvel.

O vereador da Mobilidade, Miguel Gaspar, revelou o plano esta quarta-feira durante a reunião pública do executivo camarário, onde o CDS apresentou uma proposta para que se estudasse quantas trotinetes pode a cidade comportar.

A proposta dos centristas foi chumbada, argumentando Miguel Gaspar que esse estudo está a ser feito e que há reuniões constantes entre a autarquia e as operadoras de trotinetes e bicicletas partilhadas. Desses encontros nasceu a preocupação de “garantir que em cada frente de quarteirão na cidade exista um sítio para estacionar bicicletas, trotinetes e motas”, disse o vereador, precisando pouco depois que a proposta se destina sobretudo às zonas com mais utilização destes meios de transporte.

As trotinetes e bicicletas “hoje já transportam 20 mil pessoas por dia”, afirmou Miguel Gaspar, que tem como objectivo diminuir a preponderância do automóvel na cidade. “Temos mais de 370 mil veículos a entrar por dia. O que temos como meta é reduzir a dependência do carro privado, para que não mais de 34% das viagens sejam feitas em carro privado e, portanto, haja uma transferência de cerca de 150 mil viagens para outros modos de transporte”, justificou.

“A cidade vive hoje um momento raro no contexto europeu. São poucas as cidades que se podem gabar da quantidade de serviços de mobilidade que nós temos”, congratulou-se o vereador, defendendo a necessidade de continuar a incentivar estes serviços. “Temos mais de 500 locais de estacionamento na cidade, outros 540 locais estão identificados e propostos”, disse.

A câmara quer, ao todo, “1600 lugares de estacionamento [automóvel] convertidos” em lugares para outros veículos. “Cada lugar de estacionamento permite estacionar dez trotinetes ou mais, oito bicicletas ou mais”, disse Gaspar. Segundo o vereador, um lugar é usado cerca de seis vezes por dia por automóveis, 30 vezes por bicicletas e “entre 20 a 40 vezes por dia” por trotinetes. “É uma ocupação muito mais racional do espaço público”, frisou.

A autarquia diz estar atenta aos problemas de estacionamento indevido das trotinetes e da sua crescente multiplicação, mas não prevê limitar o seu número. Ou melhor, até deixa a possibilidade em aberto, mas só em certos sítios. “Não na cidade, porque queremos trotinetes em toda a cidade com igualdade de oportunidades para todos, mas um número máximo de trotinetes em certas ruas concretas, para que não haja uma degradação do espaço público”, disse Miguel Gaspar.

João Gonçalves Pereira, vereador do CDS, argumentou que a presença das trotinetes em Lisboa “não pode ser sem lei nem roque” e disse não perceber porque é que a maioria socialista chumbou o estudo proposto. “Independentemente do PowerPoint que aqui traz e que tem alguma informação importante, deve haver um estudo integrado com os vários modos de mobilidade na cidade e que haja uma estratégia do município e não uma coisa meio desgarrada”, defendeu.