Opinião

Deus não sabia o seu nome?

O que importa é libertar a catequese, as homilias, a teologia de rotinas que impedem a alegria do Evangelho para os dias de hoje.

1. Se Deus fala, é porque tem boca e diz coisas com sentido. Se tem boca, tem de ter um rosto. Se tem um rosto, tem uma cabeça. Quem já viu essa boca a pronunciar palavras? Numa reunião de catequese, a catequista viu-se surpreendida com essa pergunta de uma criança, já não tão criança. Ela própria ficou tão embaraçada que lhe disse: ó menina, isso não é pergunta que se faça, é uma maneira de dizer. A criança insistiu: mas Deus fala ou não fala?

No ambiente litúrgico e catequético, e até na linguagem corrente, os líderes das comunidades cristãs não se dão conta, pelo hábito de falar sem se explicarem, dando por sabido o que nem eles sabem, de que estão a preparar pessoas para confessar um credo e praticar rituais, mas sem a mínima inteligência do que dizem e fazem. Com o tempo, estão a preparar descrentes.

Já na Idade Média, Tomás de Aquino afirmava que, quando se pretende levar alguém à inteligência da raiz da verdade que confessa, tem muito que investigar para responder à pergunta: como é que é verdade aquilo que confessas ser verdade? Não basta recorrer a argumentos de autoridade. Nesse caso, o ouvinte fica sem ciência nenhuma e vai-se embora de cabeça vazia [1]. Não é boa recomendação a fé ignorante.

No âmbito religioso, estamos tão habituados a um certo uso da linguagem que julgamos estar sempre perante comunidades que merecem o elogio de S. Paulo: “Tendo recebido a palavra de Deus, que nós vos anunciámos, vós a acolhestes não como palavra de seres humanos, mas como ela é verdadeiramente: palavra de Deus, a qual também actua em vós que acreditais.” [2]

A criança a que nos referimos diria ao apóstolo: e como é que sabes que é palavra de Deus, se todas essas palavras são humanas, criadas por seres humanos?

Responder que, na Bíblia, o uso de gestos simbólicos, de parábolas e de metáforas é a forma de dizer o indizível não basta, pois, se é indizível, por que é que andam sempre a esforçar-se por dizer? Mas cuidado, esse é o belo ofício dos poetas.

Estamos perante um tema imenso, mas não nos podemos esquecer que Jesus também não confiou no amontoado de explicações dos sábios e entendidos que deixavam nas trevas os que mais precisavam de uma nova luz. Como filho de Deus, agradece o advento de uma nova época que varre séculos e séculos de ignorância, como já disse numa destas crónicas [3]. O que importa é libertar a catequese, as homilias, a teologia de rotinas que impedem a alegria do Evangelho para os dias de hoje, isto é, nas mudanças culturais.  

2. A liturgia de hoje oferece um dos textos bíblicos que mais tem dado que falar em todos os tempos [4]. O cenário é de uma experiência do sagrado, do intocável, do tremendo e fascinante [5].

Moisés quer aproximar-se de um espectáculo que o atrai, mas há uma voz que lhe diz: não te aproximes. Tira as sandálias dos pés porque o lugar que pisas é terra sagrada. E acrescentou, eu sou o Deus dos teus pais, Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de Jacob. Com o receio de olhar para Deus, Moisés cobriu o rosto.

Mas Deus olhou para o povo oprimido e manifestou a Moisés as suas intenções libertadoras. No final, Moisés quer saber mais do que lhe está a ser comunicado e atreve-se: Eis que eu vou ter com os filhos de Israel e digo-lhes: o Deus dos vossos pais enviou-me a vós. Eles dir-me-ão: qual é o nome dele? Que lhes direi eu?

Resposta de Deus: Eu sou aquele que sou, yhwh (Iavé). Assim dirás aos filhos de Israel: Eu sou enviou-me a vós!

De facto, as frases Eu sou aquele que sou (‘ehyeh ‘axer ‘ehyeh) e Eu sou (‘ehyeh) são explicações etimológicas do tetragrama, yhwh. O verbo ‘ehyeh', ser/estar, tanto pode ser dito no presente como no futuro (eu sou-serei/eu estou-estarei).

Usado mais de 6800 vezes no AT, YHWH (Iavé), o chamado tetragrama (literalmente, quatro letras), é o mais frequente nome próprio do Deus Bíblico e está documentado em várias inscrições extra-bíblicas.

Como escreveu o grande exegeta, Francolino J. Gonçalves [6], judeus e cristãos crêem que as suas respectivas sagradas Escrituras são palavra de Deus. Os próprios muçulmanos reconhecem a origem divina das ditas Escrituras. Para o leitor que não usa o projector da fé, porque não o tem ou não se serve dele, Deus não é o único locutor na Bíblia. No entanto, é o seu protagonista. Deus desempenha na Bíblia um papel incomparavelmente mais importante do que qualquer uma outra das numerosíssimas personagens humanas. É sujeito de muitos discursos e objecto ou destinatário de muitos outros. É um dos narradores e, com muito mais frequência, objecto das narrativas.

Se, de facto, Deus fala na Bíblia de uma ponta a outra, só pode fazê-lo pela boca das pessoas humanas que nela intervêm, falando todas elas, explícita ou implicitamente, em seu nome. Para os leitores crentes, há uma sinergia entre Deus e os locutores humanos. A Bíblia é ao mesmo tempo palavra divina e palavra humana ou, melhor dito, palavra divina em palavras humanas. Nela está em acção o princípio da encarnação, que culmina no Verbo de Deus feito homem. Para os crentes, a Bíblia não é só palavra de Deus, mas também palavra sobre Deus. Directa ou indirectamente, ela fala de Deus de uma ponta a outra. Em geral, não fala de Deus por si mesmo, mas em relação com a criação e/ou com o seu povo.

3. Quando se diz, como no título desta crónica, Deus não sabia o seu nome, não é fazer dele um ignorante. Em certas culturas, conhecer o nome é tomar posse de uma pessoa, de um animal ou de uma coisa. Tive um professor de exegese que era alérgico à metafísica elaborada a partir da Bíblia. Não gostava nada de ouvir falar de metafísica sagrada do Êxodo, incluída na expressão, Eu sou.

A resposta que Moisés recebeu é uma forma de afirmação da transcendência divina. Deus não cabe em conceitos, em representações que, facilmente, resvalam para a idolatria e, por seu lado, a linguagem simbólica não diz, sugere. O célebre Mestre Eckhart rezava: Deus livra-me de Deus, de representações que pretendem substituí-lo. Outros místicos falam de Deus como nuvem luminosa, a luz misteriosa do mundo.

O Deus da Bíblia não é o Deus do silêncio nem o Deus das definições, mas precisamos de muito silêncio para O escutar nas suas mil vozes.

[1] Quodlibetum Quartum, q.9, a. 3
[2] 1Ts 2, 13.  
[3] Lc 10, 17-24
[4] Ex 3, 1-15
[5] Cf. Rudolf Otto, O Sagrado, Edições 70, 1992
[6] Iavé, Deus de Justiça e de Bênção, ISTA 22 (2009), 107-152. Este longo texto esteve sempre presente nesta crónica.