Fotografia

Venezuela: “Esta é a hora escura da minha terra”

Juan Pablo Bellandi
Fotogaleria
Juan Pablo Bellandi

“O país desmorona-se, lentamente. Nas ruas, respira-se desespero, ódio, tristeza, terror. Reina o caos sobre a sobrevivência.” O fotojornalista venezuelano Juan Pablo Bellandi dedica todos os trabalhos de fotografia documental à situação política e social do seu país — e Endless Countenances não é excepção. Desenvolvida durante o início da revolta popular contra Maduro, em 2016 e 2017, a série descreve os rostos de dor de quem vive aprisionado num país em decadência. “A situação é catastrófica”, diz ao P3, em entrevista via e-mail, a partir de Caracas. “A queda dos preços do petróleo e a má gestão económica (corrupção) deixaram marcas profundas no país. Há filas intermináveis à porta de supermercados quase vazios. Os produtos de primeira necessidade escasseiam e os preços estão inflaccionados, o que impede que a maioria das pessoas os consiga adquirir. As condições sanitárias do país são terríveis, a taxa de mortalidade é muitíssimo alta devido ao mau funcionamento dos hospitais. Há uma população inteira doente que não pode ser tratada.” Como “cereja no topo do bolo”, Bellandi refere o aparecimento, em grande força, do crime organizado “que converteu a Venezuela num dos países mais perigosos do mundo”.

Para o fotógrafo, nada descreve melhor o que se vive na Venezuela do que a expressão gravada no rosto dos venezuelanos, onde é visível “uma mescla de esperança, desespero e dor”. Endless Countenances, que pode ser traduzido por “Semblantes Infinitos”, pretende lembrar-nos que as possíveis leituras políticas ou de grande escala sobre a crise venezuelana mingam perante tal “esmagadora tragédia humana”. Num poema que partilha com o P3, Pablo descreve a situação: “Há mães que esperam os filhos assassinados às portas das morgues abarrotadas, debaixo do calor caribenho, e que vêem a sua dor reflectida no rosto de outras mães. Há crime comum e organizado, narco e freak, corrupto e poderoso. O som das motas militares, policiais, e de gangsters é conhecido de todos. Salta, esconde-te. Protesta ou lança pedras. O poder irá dispara sobre ti com uma Glock ou uma AK-47 de fabrico russo. Durante a noite, ouvem-se disparos à distância, como uma feliz melodia que adoça as nossas cidades. A bota negra e a boina vermelha contracenam no teatro do absurdo enquanto avança a fila da fome e da morte. A violência é o sistema. Esta é a hora escura da minha terra, a Venezuela.”

Juan Pablo nasceu em Mérida, na Venezuela, em 1990. Estudou fotografia em Buenos Aires, na Argentina, e foi um dos finalistas da Ian Parry Scholarship, do Leica Oskar Barnack Award e da Joop Swart Materclass.

Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi
Juan Pablo Bellandi