Torne-se perito

Wolfgang Schäuble e a austeridade: “Podíamos ter feito as coisas de forma diferente”

Antigo ministro alemão das Finanças admite falhas na resposta à crise das dívidas soberanas mas insiste que a Grécia não devia ter entrado na zona euro. Schäuble expressa preocupação perante o crescimento do populismo mas recusa qualquer responsabilidade das políticas de austeridade, apontando antes o dedo a Merkel e à imigração.

Foto
Stephane Mahe

Wolfgang Schäuble, ex-ministro das Finanças alemão, concedeu este fim-de-semana uma entrevista ao Financial Times em que expressa tristeza e algum arrependimento pela forma como a crise das dívidas soberanas foi gerida.

“Bem…sinto-me triste, porque tive um papel em tudo isso. E penso como podíamos ter feito as coisas de forma diferente”, admitiu, questionado sobre a pressão exercida sobre os países do Sul da Europa e a forma hostil como é hoje recordado em países como a Grécia, numa entrevista em que não chega a mencionar Portugal.

Questionado sobre o que mudaria concretamente, o actual presidente do parlamento alemão voltou a insistir que a Grécia nunca devia ter aderido à zona euro, e revelou que chegou a sugerir a Giorgos Papakonstantinou, na altura ministro das Finanças helénico, o afastamento de Atenas da moeda única durante uma década.

“Disse-lhe que seria preciso desvalorizar a moeda grega, que eles não eram competitivos, e, por isso, que precisavam de sair do euro durante um período de tempo. Mas todos disseram que não haveria hipótese de isso vir a acontecer”, recordou.

Apesar da rejeição inicial da proposta, Schäuble voltaria a insistir na ideia. O antigo ministro das Finanças tentou que os países da zona euro aprovassem um “Grexit”, em 2015, mas Angela Merkel e os outros governantes recusaram o plano. Schäuble admite agora que esteve “muito perto” de se demitir nesse ano.

Na entrevista, Schäuble confirma que a relação com a chanceler alemã nem sempre foi a melhor durante os oito anos em que esteve no Governo, de 2009 a 2017: “Houve alguns conflitos muito maus, onde ela sabia também que eu estava no limite e que me iria embora. Tive sempre de pesar se faria as coisas, mesmo se soubesse que eram as erradas — como era o caso da Grécia — ou se me iria embora. Nem sempre concordávamos, mas fui sempre leal”.

PÚBLICO -
Foto
Mário Centeno cumprimenta Wolfgang Schäuble, em Bruxelas FRANCOIS LENOIR / REUTERS

Ainda sobre o euro, o alemão recua ainda mais ao apontar o pecado original da criação de uma moeda comum sem “uma política económica, de empregabilidade e social” comum a todos os membros da zona monetária.

Vaga migratória impulsionou populismo

Confrontado com regresso da extrema-direita ao parlamento alemão, mais de sete décadas após a derrota do regime nazi, Schäuble expressa tristeza pelo estatuto conquistado pela AfD (Alternativa para a Alemanha) como maior partido da oposição: “Pensei que nunca mais iria acontecer na Alemanha, devido à tragédia da nossa histórica do século XX.”

PÚBLICO -
Foto
Alice Weidel e Alexander Gauland, principais candidatos da AfD, festejam os resultados das eleições 2017. WOLFGANG RATTAY / REUTERS

Questionado sobre se traça algum paralelo entre o populismo actual e a ascensão do Partido Nacional Socialista de Adolf Hitler nos anos 1930, o ex-ministro das Finanças diz acreditar que ainda é possível “retirar importância à AfD”, admitindo contudo que “será muito mais difícil mantê-los afastados” agora, após os recentes sucessos eleitorais daquela formação, “do que antes”.

Sobre as causas da actual onda populista que varre grande parte da Europa, Schäuble recusa falar no papel da austeridade, recordando que a extrema-direita também cresce em países prósperos do Norte, e aponta antes as recentes vagas migratórias, lançando uma farpa a Merkel. O antigo ministro considera que a política de portas abertas adoptada pela chanceler no momento mais crítico da crise dos refugiados contribuiu para o crescimento do populismo e foi “erradamente percebida, por todo o mundo, como uma oportunidade de negócio para os traficantes de seres humanos”.