Torne-se perito

Risco de incêndio aumenta nos próximos dias com temperaturas perto dos 30ºC

No sábado, os termómetros poderão chegar aos 28 graus em Setúbal e 27 graus em Santarém. Nos próximos dias, a par do aumento da temperatura, concelhos do distrito de Faro estão com elevado risco de incêndio.

Foto
Rui Gaudencio/arquivo

O risco de incêndio vai aumentar nos próximos dias em vários distritos de Portugal continental, acompanhando a subida das temperaturas máximas que em algumas regiões podem chegar perto dos 30 graus Celsius, segundo o IPMA.

De acordo com informação disponível no site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), para esta sexta-feira está previsto risco de incêndio elevado e muito elevado em seis concelhos do distrito de Faro. No sábado o risco aumenta, prevendo-se que seja muito elevado para quatro concelhos do distrito de Faro e elevado em 11 concelhos de Faro, Beja, Santarém e Portalegre.

O IPMA prevê para domingo um risco muito elevado de incêndio para três concelhos de Portalegre e Faro e elevado em 22 concelhos de Faro, Beja, Castelo Branco, Santarém e Portalegre. Na segunda-feira volta a subir e na terça-feira já são mais de 70 os concelhos em risco elevado de incêndio, 16 em muito elevado e um em risco máximo (Mação, no distrito de Santarém).

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o “reduzido” e o “máximo”. O cálculo é feito com base nos valores observados às 13h em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para os próximos dias um aumento dos valores da temperatura máxima em Portugal continental. A previsão aponta para céu geralmente limpo, vento em geral fraco do quadrante leste, soprando moderado no Algarve, acentuado arrefecimento nocturno e subida da temperatura máxima.

Nesta sexta-feira, os termómetros poderão chegar aos 23ºC em Santarém e Setúbal. Em Lisboa, as previsões apontam para uma temperatura máxima de 22ºC, com a mínima a situar-se nos 9ºC. Já no Porto, as temperaturas poderão variar entre os 20ºC e os 8ºC. Ainda que o calor se faça sentir, esta sexta-feira as temperaturas mínimas poderão atingir 1ºC em Bragança e 4ºC em Braga, Évora e Setúbal.

No sábado, a temperatura continuará a subir, com os termómetros a chegarem aos 28ºC em Setúbal e 27ºC em Santarém. Em Lisboa vão estar 25 graus, Faro 21 e Porto 23, com o vento a soprar de moderado a forte (20 a 40 quilómetros por hora) do quadrante leste nas terras altas do Centro e Sul. Para domingo prevê-se 27 graus para Setúbal e Santarém, 26 em Leiria e Braga, em Lisboa 25, Faro 21 e no Porto 24.

As máximas continuarão a subir até à próxima segunda-feira. “Estamos a falar de valores que estão acima do habitual para a época”, nota ao PÚBLICO a meteorologista do IPMA Joana Sanches. Segundo as previsões, na segunda-feira, os termómetros poderão chegar aos 28ºC na capital do distrito de Santarém que “será o distrito com valores mais elevados, mais próximo dos 30ºC”, explica a meteorologista.

Porém, o calor vai-se fazer sentir um pouco por todo o país, com o IPMA a prever temperaturas acima dos 20 graus em todo o território continental durante o fim-de-semana. 

Além do vento, as temperaturas elevadas e uma humidade baixa são, de acordo com Joana Sanches, os principais factores “para o aumento do risco de incêndio nos próximos dias”, que irá aumentar gradualmente ao longo de todo o território. “O risco de incêndio vai começar por ser mais elevado no distrito de Faro, no entanto, a previsão é que depois se estenda de forma gradual a outros distritos ao longo do fim-de-semana e início da próxima semana”, explica Joana Sanches.

Comparativamente a 2018, a meteorologista do IPMA sublinha que “no ano passado, Março foi um mês chuvoso”. Ao contrário do que acontece agora, Março de 2018 ficou marcado pela passagem da depressão Gisele em Portugal e por chuva, vento forte, queda de neve e "temperaturas abaixo dos valores normais" para a época. 

1608 hectares de área ardida

A Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) registou entre 1 de Janeiro e 17 de Março 1344 incêndios, que provocaram 1608 hectares de área ardida. Segundo a ANPC, a maior parte da área ardida provocada por estes incêndios de inverno foi em matos, 1192 hectares, seguido de povoamentos (382) e de agricultura (34).

A Protecção Civil indica também que, até 17 de Março, se registaram mais fogos nos distritos de Vila Real (201), Viseu (190) e Porto (185), mas “em qualquer um dos casos, os incêndios são maioritariamente de reduzida dimensão”, não ultrapassando um hectare. Os 1344 incêndios que deflagram em pleno inverno foram combatidos por 13.056 operacionais e envolveram 3873 veículos e 212 meios aéreos.

Sugerir correcção