“Rawvana”: a influenciadora vegan que foi apanhada a comer peixe

Yovana Mendoza Ayres promove uma alimentação crudivorista e vegan nas redes sociais, mas parece que não estava a fazer-lhe bem.

Foto
Yovana Mendoza Ayres

Há seis anos que Yovana Mendoza Ayres, mais conhecida por “Rawvana”, promove nas redes sociais uma alimentação crudivorista – assente em alimentos crus – e vegan. Quem a segue no YouTube e Instagram está convencido que a influencer, de 29 anos, segue uma dieta baseada em alimentos não cozinhados e desprovida de produtos de origem animal. Tudo mudou quando, durante uma viagem a Bali, uma amiga publicou um vídeo onde a jovem aparece a comer peixe. Depois das críticas, a jovem explica porque voltou a comer alimentos cozinhados.

O vídeo foi publicado por Paula Galindo, uma youtuber colombiana com mais de dez milhões de seguidores. No final do vídeo com aproximadamente dez minutos de duração, Galindo vira a câmara para Ayres num restaurante, a influencer olha para o prato e baixa os braços, ciente do que a amiga está a filmá-la. Mas, apesar de ter tentado esconder, os seguidores mais atentos conseguiram ver que a influenciadora estava a comer um prato de peixe.

Seguiram-se críticas negativas dos seus seguidores, que a acusam de ser “mentirosa” e de “manchar o estilo de vida vegan”. Depois de um período de silêncio, “Rawvana” partilhou um vídeo no YouTube no qual, em 33 minutos, procurou justificar-se. 

No seu pedido de desculpas, Ayres fala dos problemas de saúde de que tem sofrido nos últimos anos, consequência do tipo de alimentação que estava a levar. Um ano depois de mudar a sua dieta, em 2014, a influenciadora não estava a menstruar, revela. Os resultados dos exames médicos que realizou eram comparáveis aos de uma mulher na pós-menopausa, apesar de ter 20 e poucos anos, disse. Aconselhada pelos médicos a comer mais gordura, “Rawvana” voltou a introduzir alimentos cozinhados na sua alimentação. O período regressou, mas voltou a desaparecer em 2017, conta. Nesse ano, os médicos disseram que ela precisava de ganhar peso. Ganhou seis quilos e o seu período regressou novamente. 

Porém, em Janeiro deste ano foi diagnosticada com Sobrecrescimento Bacteriano do Intestino Delgado (SIBO), uma quantidade excessiva de bactérias no intestino delgado que podem causar desnutrição. Foi aí que decidiu começar a comer ovos e peixe, preocupada que o estado da sua saúde viesse a afectar a capacidade de ter filhos.

“O meu coração está com a comunidade vegan e quero salientar que não foi a dieta baseada em vegetais que me deixou doente”, disse num comunicado enviado ao Washington Post. “Qualquer um pode ter SIBO. A minha paixão por esse estilo de vida é importante para mim.”