Presidente do Novo Banco prevê resultados recorrentes acima de 100 milhões de euros antes de impostos

António Ramalho também apontou para resultados positivos no Novo Banco depois dos impostos.

Foto
LUSA/TIAGO PETINGA

O presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, previu esta quinta-feira no parlamento que o negócio recorrente do Novo Banco vá ter resultados positivos superiores a 100 milhões de euros antes de impostos em 2019.

“É claro, neste momento, que os resultados antes de impostos serão superiores a 100 milhões de euros e depois de impostos serão positivos seguramente”, disse António Ramalho sobre o negócio recorrente do banco que, em 2018, teve lucros de 2,2 milhões de euros, durante a sua audição na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no parlamento, em Lisboa.

Na apresentação de resultados relativa a 2018, em que foi anunciada a separação informal do Novo Banco em duas entidades, a relativa ao negócio recorrente e a relativa ao legado do Banco Espírito Santo, António Ramalho já tinha admitido que tinha a expectativa de que o lucro do negócio recorrente atingisse os três dígitos.

António Ramalho disse, a 1 de Março, na apresentação de resultados, esperar que o lucro do banco recorrente vá “crescer para três dígitos” e que espera assegurar, até 2021, “uma “performance” do banco recorrente capaz de absorver as perdas inevitáveis do legado”.

O Novo Banco teve prejuízos de 1.412,6 milhões de euros em 2018 e alterou os resultados de 2017, subindo os prejuízos para 2.298 milhões de euros nesse ano.

O negócio recorrente apresentou um lucro antes de impostos de 2,2 milhões de euros em 2018, o que compara com 311,4 milhões em 2017.

Já o NB Legado registou um resultado antes de impostos negativo em 715,2 milhões de euros em 2018, o que compara com 1514,6 negativos em 2017.