Fundações de Sporting e Benfica ajudam Moçambique

O clube de Alvalade irá também aproveitar o derby, no próximo dia 3 de Abril, a contar para as meias-finais da Taça de Portugal, para reunir mais produtos para Moçambique.

Fotogaleria
Crianças num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
A destruição provocada pelo ciclone Idai em Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda, no centro de Moçambique ANDRE CATUEIRA/EPA
Fotogaleria
Imagens de helicóptero mostram os estragos após a passagem do ciclone Idai na cidade da Beira, Moçambique Redes sociais/Reuters
Fotogaleria
Edifícios destruídos pelo ciclone Idai na Beira, Moçambique Redes sociais/Reuters
Fotogaleria
Os estragos na cidade da Beira, Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Habitantes transportam os seus bens pessoais na Beira, a cidade mais afectada pela passagem do ciclone Idai em Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Casas destruídas na Beira, Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Habitantes de Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda no centro de Moçambique ANDRE CATUEIRA/EPA
Fotogaleria
Uma estrada cedeu junto à área de Miramar, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Habitantes tentam recuperar o que resta das suas casas na aldeia de Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
Fotogaleria
Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (Moçambique) Redes sociais/Reuters
Fotogaleria
Um carro é esmagado por um contentor na província de Sofala, no centro de Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Habitantes procuram água potável depois de o ciclone Idai ter provocado cheias na província de Sofala, no centro de Moçambique OSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os escombros na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
O edifício de uma escola secundária destruído pelo ciclone Idai na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Cidade da Beira, no centro de Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os estragos na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Crianças entre os escombros na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Habitantes estão alojados num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (centro de Moçambique) JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Praia Nova, Beira (centro de Moçambique) JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Habitantes em busca de água potável na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
O rasto de destruição provocado pelo ciclone Idai na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os estragos na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Os estragos no armazém do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
Fotogaleria
Imagens aéreas da destruição que o ciclone Idai provocou no Malawi, onde pelo menos 56 pessoas morreram e 577 ficaram feridas, segundo dados oficiais Tautvydas Juskauskas/UNICEF
Fotogaleria
O estragos na cidade de Bangula, no sul do Malawi Tautvydas Juskauskas/UNICEF
Fotogaleria
Mais de 15 mil famílias ficaram desalojadas devido às cheias provocadas pelo ciclone Idai no Malawi Tautvydas Juskauskas/UNICEF
Fotogaleria
Famílias desalojadas instalam-se num centro de abrigo temporário no Malawi Rebecca Phwitiko/UNICEF
Fotogaleria
Tendas de plástico servem de refúgio temporário aos habitantes do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique Rebecca Phwitiko/UNICEF
Fotogaleria
Eneless Bernard prepara uma refeição no centro de abrigo temporário montado numa escola primária do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique Rebecca Phwitiko/UNICEF

O Sporting vai aproveitar o jogo com o Benfica, a contar para a segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, para recolher alimentos na sequência da tempestade de afectou Moçambique devido à tempestade Idai. A acção foi anunciada no site do clube e a partida está agendada para dia 3 de Abril.

A partir desta quarta-feira e até sexta-feira, a Fundação Sporting vai começar a recolher enlatados de abertura fácil, bolachas, lixívia e sabonetes para entregar à Cruz Vermelha Portuguesa, que estará encarregue de enviar os produtos a Moçambique.

Já o clube “encarnado”, a partir da Fundação Benfica, apela a todos os portugueses a contribuir com alimentos enlatados, deixando-os no Estádio da Luz ou nas Casas do Benfica espalhadas pelo país até este domingo. O mesmo organismo das “águias” disponibiliza espaço de transporte gratuito de mercadorias doadas a outras associações e clubes desportivos que estejam a ajudar.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Malawi e Zimbabwe já provocou pelo menos 386 mortos, segundo balanços divulgados pelos respectivos governos.

O país vai ainda cumprir três dias de luto nacional, até sexta-feira.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira, no centro de Moçambique, na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que, pelo menos, 400 mil pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, considerando tratar-se da “pior crise” do género no país.

No Zimbabwe, as autoridades contabilizaram pelo menos 82 mortos e 217 desaparecidos, enquanto no Malawi as únicas estimativas conhecidas apontam para, pelo menos, 56 mortos e 577 feridos.