Idai: Unicef e Cruz Vermelha abrem linhas de apoio. Saiba como ajudar

Unicef prevê que serão necessários 17,9 milhões de euros para dar resposta à passagem do ciclone Idai.

Foto
LUSA/ANDRÉ CATUEIRA

Os esforços para ajudar a população desalojada que foi atingida pela passagem do ciclone Idai por Moçambique, Zimbabwe e e Malawi já estão em marcha. Portugal vai ajudar Moçambique através da União Europeia, que disponibilizou um financiamento de 3,5 milhões de euros. Contudo, a UNICEF estima que sejam necessários 17,9 milhões de euros para dar resposta aos danos causados pela catástrofe nos três países.

Também a Cruz Vermelha Portuguesa disponibilizou cinco mil euros do Fundo de Emergência destinado a catástrofes e está a recolher donativos para a resposta humanitária da Cruz Vermelha de Moçambique, na região da Beira. Através de um “apelo de emergência” publicado na sua página oficial, a Cruz Vermelha Portuguesa expressou à sua congénere moçambicana a “disponibilidade para apoiar as respostas humanitárias”, pedindo “à comunidade para contribuir através de donativos para o seu Fundo de Emergência”.

Os donativos para o fundo lançado pela Cruz Vermelha Portuguesa podem ser transferidos para a conta bancária: PT50 0010 0000 3631 9110 0017 4.

A Cruz Vermelha portuguesa identificou centenas de alimentos com prazo de validade alargado nos armazéns da instituição em Portugal, que pretende enviar para a cidade da Beira. Pede ainda “produtos para tratamentos de água” e “produtos de higiene e limpeza”.

De acordo com esta organização, a cidade da Beira, capital da província moçambicana de Sofala, terá sido afectada numa extensão de 90% do seu território. As principais necessidades avaliadas “são na área da saúde, água, saneamento e higiene, abrigo e artigos de primeira necessidade”, sublinhou o organismo.

A nível comunitário, a União Europeia anunciou um apoio de emergência de 3,5 milhões de euros para ajudar a população afectada. A UNICEF (Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas) estima que serão necessários 20,3 milhões de dólares (cerca de 17,9 milhões de euros) para apoiar na resposta aos três países.

Moçambique é o país mais afectado, prevendo-se que sejam necessários dez milhões de dólares (8,8 milhões de euros) para recuperar os danos causados. A organização da ONU calcula que sejam necessários oito milhões de dólares (cerca de sete milhões de euros) para o Malawi e outros dois milhões de dólares (cerca de 1,7 milhões de euros para o Zimbabwe).

A UNICEF está a apoiar o Governo moçambicano na distribuição de pastilhas de purificação de água e medicamentos básicos. É possível fazer donativos para a situação de emergência em Moçambique através do site da UNICEF Portugal.

Num comunicado enviado às redacções, a UNICEF alerta para a possibilidade de chuvas fortes nas áreas já afectadas do território moçambicano. O organismo “estima que 260 mil crianças estão entre a população afectada”, tratando-se de uma primeira avaliação que poderá mudar nos próximos dias.

A situação no Malawi é idêntica, “com milhares de pessoas desalojadas das suas casas inundadas” e com famílias “sem apoios básicos, incluindo alimentos, água e saneamento”.

No Zimbabwe, “estradas principais foram destruídas” e as equipas da UNICEF ainda estão a tentar chegar a algumas áreas afectadas.