Ciclone Idai: Governo moçambicano à espera de 400 mil desalojados

Caroline Haga, da equipa da Cruz Vermelha Internacional na Beira, diz que a prioridade da organização neste momento “é salvar vidas”, mas as condições no terreno continuam “muito difíceis”.

O Governo de Moçambique está a preparar condições para albergar 400 mil desalojados por causa da passagem do ciclone Idai pelo centro de Moçambique, que já fez 84 mortos, de acordo com o Presidente Filipe Nyusi, mas cujo balanço trágico deverá ser substancialmente superior.

A informação foi avançada ao PÚBLICO por Caroline Haga, da Cruz Vermelha Internacional, em contacto telefónico a partir da Beira, cidade que foi “90%” danificada ou destruída pelos ventos que chegaram a soprar a 177 km/h e pelas fortes chuvas, de acordo com esta organização.

A equipa da Cruz Vermelha que está no terreno diz que a situação está “muito difícil”, pois duas catástrofes se juntaram numa só: a destruição causada pelos ventos ciclónicos e as inundações comuns da época das chuvas exponenciadas pela forte precipitação acentuada pela passagem da tempestade. “Há locais onde os rios estão vários metros acima do seu habitual nível”, afirmou Caroline Haga.

A prioridade da organização não-governamental “é a de salvar vidas”, mas as condições de deslocação na zona são extremamente penosas, pontes destruídas, deslizamentos de terras, inundações, rios transbordantes com fortes correntes.

“Há pessoas penduradas em árvores rodeadas por água”, conta Haga, numa ligação por WhatsApp marcada por cortes, demonstrativo das dificuldades de comunicação existentes na região, depois de o ciclone ter derrubado grande parte da infra-estrutura de telecomunicações no centro de Moçamboque.

A Cruz Vermelha não tem actualização do número de mortos, mantendo-se nos 84 mortos avançados na segunda-feira pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi. No entanto, tal como disse o chefe de Estado, também esta ONG está a calcular que o número poderá ser muito mais alto.

Entretanto, a Cruz Vermelha Portuguesa identificou centenas de alimentos de longa duração nos armazéns da instituição em Portugal que pretende enviar para a cidade da Beira. Em declarações à agência Lusa, o seu presidente, Francisco George, adiantou que foi emitido um alerta a nível nacional para as reservas de alimentos de longa duração (conservas) para serem recolhidos no caso de ser organizado um voo humanitário para Moçambique.

PÚBLICO - Crianças num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique
Crianças num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique
Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - A destruição provocada pelo ciclone <i>Idai</i> em Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda, no centro de Moçambique
A destruição provocada pelo ciclone Idai em Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda, no centro de Moçambique ANDRE CATUEIRA/EPA
PÚBLICO - Imagens de helicóptero mostram os estragos após a passagem do ciclone <i>Idai</i> na cidade da Beira, Moçambique
Imagens de helicóptero mostram os estragos após a passagem do ciclone Idai na cidade da Beira, Moçambique Redes sociais/Reuters
PÚBLICO - Edifícios destruídos pelo ciclone <i>Idai</i> na Beira, Moçambique
Edifícios destruídos pelo ciclone Idai na Beira, Moçambique Redes sociais/Reuters
PÚBLICO - Os estragos na cidade da Beira, Moçambique
Os estragos na cidade da Beira, Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique)
Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Habitantes transportam os seus bens pessoais na Beira, a cidade mais afectada pela passagem do ciclone <i>Idai</i> em Moçambique
Habitantes transportam os seus bens pessoais na Beira, a cidade mais afectada pela passagem do ciclone Idai em Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Casas destruídas na Beira, Moçambique
Casas destruídas na Beira, Moçambique Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Habitantes de Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda no centro de Moçambique
Habitantes de Chiluvi, uma aldeia do distrito de Nhamatanda no centro de Moçambique ANDRE CATUEIRA/EPA
PÚBLICO - Uma estrada cedeu junto à área de Miramar, na cidade da Beira (Moçambique)
Uma estrada cedeu junto à área de Miramar, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Habitantes tentam recuperar o que resta das suas casas na aldeia de Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique)
Habitantes tentam recuperar o que resta das suas casas na aldeia de Praia Nova, na cidade da Beira (Moçambique) Denis Onyodi/IFRC/EPA
PÚBLICO - Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (Moçambique)
Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (Moçambique) Redes sociais/Reuters
PÚBLICO - Um carro é esmagado por um contentor na província de Sofala, no centro de Moçambique
Um carro é esmagado por um contentor na província de Sofala, no centro de Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Habitantes procuram água potável depois de o ciclone <i>Idai</i> ter provocado cheias na província de Sofala, no centro de Moçambique
Habitantes procuram água potável depois de o ciclone Idai ter provocado cheias na província de Sofala, no centro de Moçambique OSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os escombros na província de Sofala, Moçambique
Os escombros na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - O edifício de uma escola secundária destruído pelo ciclone <i>Idai</i> na província de Sofala, Moçambique
O edifício de uma escola secundária destruído pelo ciclone Idai na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Cidade da Beira, no centro de Moçambique
Cidade da Beira, no centro de Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os estragos na província de Sofala, Moçambique
Os estragos na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Crianças entre os escombros na província de Sofala, Moçambique
Crianças entre os escombros na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Habitantes estão alojados num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique
Habitantes estão alojados num centro de abrigo temporário na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique
Os estragos na aldeia de Inhamizua, província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Província de Sofala, Moçambique
Província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (centro de Moçambique)
Imagens aéreas da destruição em Praia Nova, Beira (centro de Moçambique) JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO -  Praia Nova, Beira (centro de Moçambique)
Praia Nova, Beira (centro de Moçambique) JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Habitantes em busca de água potável na província de Sofala, Moçambique
Habitantes em busca de água potável na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - O rasto de destruição provocado pelo ciclone <i>Idai</i> na província de Sofala, Moçambique
O rasto de destruição provocado pelo ciclone Idai na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os estragos na província de Sofala, Moçambique
Os estragos na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Os estragos no armazém do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, na província de Sofala, Moçambique
Os estragos no armazém do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, na província de Sofala, Moçambique JOSH ESTEY/CARE/EPA
PÚBLICO - Imagens aéreas da destruição que o ciclone <i>Idai</i> provocou no Malawi, onde pelo menos 56 pessoas morreram e 577 ficaram feridas, segundo dados oficiais
Imagens aéreas da destruição que o ciclone Idai provocou no Malawi, onde pelo menos 56 pessoas morreram e 577 ficaram feridas, segundo dados oficiais Tautvydas Juskauskas/UNICEF
PÚBLICO - O estragos na cidade de Bangula, no sul do Malawi
O estragos na cidade de Bangula, no sul do Malawi Tautvydas Juskauskas/UNICEF
PÚBLICO - Mais de 15 mil famílias ficaram desalojadas devido às cheias provocadas pelo ciclone <i>Idai</i> no Malawi
Mais de 15 mil famílias ficaram desalojadas devido às cheias provocadas pelo ciclone Idai no Malawi Tautvydas Juskauskas/UNICEF
PÚBLICO - Famílias desalojadas instalam-se num centro de abrigo temporário no Malawi
Famílias desalojadas instalam-se num centro de abrigo temporário no Malawi Rebecca Phwitiko/UNICEF
PÚBLICO - Tendas de plástico servem de refúgio temporário aos habitantes do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique
Tendas de plástico servem de refúgio temporário aos habitantes do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique Rebecca Phwitiko/UNICEF
PÚBLICO - Eneless Bernard prepara uma refeição no centro de abrigo temporário montado numa escola primária do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique
Eneless Bernard prepara uma refeição no centro de abrigo temporário montado numa escola primária do distrito de Chikwawa, no Sul de Moçambique Rebecca Phwitiko/UNICEF
Fotogaleria

No entendimento de Francisco George, “todos temos o dever de apoiar as populações da cidade da Beira porque há uma afinidade histórica, secular. “Há muitos portugueses na Beira. Não podemos ignorar esta tragédia que os moçambicanos estão a viver”, disse.