Beneficiários de tarifários sociais vão pagar menos pelos transportes

Área Metropolitana do Porto esclarece que descontos de 25, 50 e 60% se aplicam aos passes de 30 e 40 euros que entram em vigor a 1 de Abril, tal como em Lisboa.

Foto
Paulo Pimenta

Os habitantes das áreas metropolitanas de Lisboa (AML) e do Porto (AMP) que já beneficiam de descontos no custo do seu passe mensal vão sentir uma diminuição dessa despesa. Com a entrada em vigor do passe único, os descontos a que têm direito (pela idade, pelos rendimentos ou por serem estudantes) serão aplicados às duas tarifas de 30 e 40 euros que passam a existir. 

Em Lisboa, vai ser instituído o passe Navegante Municipal e o Navegante Metropolitano, com um custo de 30 e 40 euros, respectivamente. No Porto, esses valores correspondem ao novo passe Andante 3Z (de três zonas) e Andante Metropolitano. A diferença entre as duas áreas metropolitanas é que o Navegante mais barato permitirá apenas circular dentro de um dado concelho, enquanto no Porto se optou por uma solução que permite a um utilizador viajar entre concelhos se o destino estiver a uma distância de até três zonas. 

Tirando esta questão, ao nível dos descontos sociais a situação será idêntica nas duas regiões metropolitanas. A título de exemplo, alguém que no Grande Porto tenha direito a um desconto de 60%, aplicável nos designados 4_18 A+ e Sub23 A+, passa a pagar 12 euros em vez dos 12,45 ou 15,35 actuais (se usa um Z2 ou Z3), e poderá acrescentar uma zona às suas deslocações habituais, caso use, até agora, um Z2, dado que, ao nível das assinaturas mensais, o Andante 3Z (30 euros, no preço sem desconto), passa a ser o título mais barato.

Em Lisboa estes serão os preços com descontos aplicáveis para o Navegante Municipal. E, num caso como no outro, os descontos de 25% e 50%, aplicáveis a idosos, estudantes de famílias com mais rendimentos e beneficiários do Rendimento Social de Inserção darão origem a títulos mensais de 22,5 euros e de 15 euros, respectivamente. Ou seja, o preço do tarifário social andará, entre os 12 e os 22,5 euros. E a partir de Abril, em Lisboa, ou de Setembro, no Porto, os menores de 12 anos deixarão de pagar, de todo, pelo transporte público, benefício que o Porto e Matosinhos querem inclusive estender a estudantes mais velhos.

A aplicação dos descontos sociais aos novos passes vai ter um impacto mais notório entre os que percorrem maiores distâncias e compravam, até agora, títulos mensais de quatro ou mais zonas, que vão desaparecer. Um habitante da Póvoa de Varzim que estude numa faculdade no Porto, e que tem direito a um desconto de 25% sobre o preço de um título mensal Z6, paga hoje 51,45 euros. Vai passar a pagar, a partir de Abril, 30 euros, correspondentes a 25% de desconto sobre os 40 euros que passa a custar o designado Andante Metropolitano, o cartão que permite viajar, em transporte público, pelos 17 municípios da região.

Na Grande Lisboa, um estudante que more em Mafra, e se desloque diariamente para uma faculdade da capital, paga mensalmente 123,75 euros (valor variável consoante a zona do concelho) — já com o desconto de 25% — por utilizar a linha da Mafrense até ao Campo Grande e a Carris e o metro para se movimentar na cidade. A partir de Abril, pagará 30 euros, mantendo-se o desconto de 25% sobre os 40 euros que custará o Navegante Metropolitano, com o qual poderão circular nos 18 municípios da AML. 

Antevendo que a “revolução” no preçário dos transportes públicos - como esta terça-feira lhe chamou o Primeiro-ministro – possa causar problemas de funcionamento nas lojas Andante, onde é possível alterar os passes a partir desta quinta-feira, a Área Metropolitana e a Transportes Intermodais do Porto lançam na véspera uma campanha de esclarecimento, com material informativo para distribuição nas estações e lojas. Para mais informações é possível recorrer a linhas telefónicas (808 200 444 ou 226 158 151) ao email [email protected], ao site www.linhandante.com ou à página do Andante no Facebook.

Na verdade, só precisa de ir a uma loja Andante (ou da CP) quem tenha um passe Z2 – para lhe acrescentar uma zona sem sobrecusto – ou tenha um Z3 (38,4 euros) e queira aproveitar para, por 1,60 euros mais, usufruir da mobilidade total que o Andante Metropolitano garante. Nas restantes situações, a passagem para os novos tarifários é automática, no momento em que o cartão é carregado numa máquina nas estações, numa loja Payshop ou na rede multibanco.