Incêndios, abandono dos campos e cultivo intensivo provocaram a praga de javalis

Caçadores estão a recorrer a soluções mais drásticas como a “caça clandestina”. Associação Nacional de Produtores de Milho e Sorgo diz que prejuízos nas culturas já ultrapassam 1 milhão de euros pelo menos.

Foto
Miguel Manso

A acção do homem está a forçar os javalis a aproximarem-se dos espaços dominados pelo ser humano. Já vão à praia e frequentam a vizinhança das aldeias à procura de alimento que desapareceu dos seus habitats tradicionais.

As queixas e os protestos dos agricultores contra o aumento desmesurado das populações de javalis, multiplicam-se à medida que os estragos nas explorações agrícolas, sobretudo nas culturas de milho, se avolumam.  

A pressão que um número crescente de animais desta espécie cinegética causa no mundo rural, está a “empurrar” os agricultores para a aplicação de soluções “mais drásticas como o abate e a caça clandestina”, adiantou ao PÚBLICO João Diniz, dirigente da Confederação Nacional de Agricultores (CNA).

O grande afluxo destes predadores para regiões longe do seu habitat tradicional deve-se, em primeiro lugar, às “consequências dos incêndios” que nos últimos anos flagelaram sobretudo a zona interior do centro e norte do país, “reduzindo substancialmente as áreas de alimento dos animais”. Este constrangimento força a deslocação dos javalis para locais onde nunca foram observados, “junto a vilas e aldeias”, assinala o dirigente da CNA.

Um levantamento feito durante uma semana pela Associação Nacional de Produtores de Milho e Sorgo (Anpromis), destaca que os estragos provocados pelos javalis, em 2018, em todo o território nacional, permitiu apurar que os prejuízos já ultrapassam 1 milhão de euros, em mais de 8000 hectares de cultura de milho.

Para além da destruição causada “em culturas, vinhas e pastagens”, a Anpromis regista ainda a que se estendeu a “jardins e logradouros privados e públicos” e até áreas arrelvadas que foram “literalmente eliminados em poucas horas”.

Situação de “descontrole"

A associação pede que as entidades governamentais actuem de forma “firme, célere e concertada”, para debelar a actual situação de “descontrole que se vive em certas regiões do país, que penaliza muito seriamente os agricultores locais”.

O aumento das populações desta espécie cinegética está igualmente associado ao abandono do interior do país. “Vejo cada vez menos gente nos campos ao mesmo tempo que aumentam as populações de javalis, raposas, texugos, saca-rabos, ginetas que atacam e aterrorizam os rebanhos de ovelhas” destaca José da Luz, dirigente da Associação de Agricultores do Campo Branco, que abrange os concelhos de Castro Verde, Mértola, Aljustrel e Ourique.

Perante ao aumento do número de javalis que algumas organizações admitem poder já ter ultrapassado os 100 mil animais, tem multiplicado a realização de montarias em todo o país. E a quantidade de exemplares abatidos surpreende os caçadores. Numa montaria realizada no Campo Branco foram mortos 25 animais, um número que José da Luz considera “ muito elevado” comparando com abates anteriores e noutras montarias.

Em Arraiolos, numa montaria que decorreu recentemente, abateram-se 140 javalis, quando os seus organizadores não estavam à espera de metade. E no Ciborro, em Montemor-o-Novo,  foram abatidos cerca de 40 javalis, números “impressionantes que nunca estiveram nas contas de ninguém”, adiantou ao PÚBLICO Jacinto Amaro, presidente da Federação Nacional de Caça (Fencaça).

A fuga deste tipo de predador em busca de alimento provocou a transumância da espécie das regiões de Trás-os-Montes, da zona centro e da Raia em direcção ao Ribatejo, Alto e Baixo Alentejo, fenómeno que explica “o aumento exponencial de animais” nestas regiões, esclarece Jacinto Amaro. Nos últimos dias tem sido relatada a presença de javalis nas praias do Portinho da Arrábida e dos Galapinhos, no concelho de Setúbal.

Não é a primeira vez que tal acontece. Em 2017, os banhistas foram surpreendidos pela presença deste predador em pleno areal das praias, banhando-se nas águas do oceano ou revolvendo a areia e os caixotes do lixo à procura de alimentos deixados pelas pessoas. Nos últimos quatro anos, foram abatidos, na serra da Arrábida, mais de 1600 javalis, por caçadores e moradores que viram as suas explorações agrícolas ameaçadas pelo excessivo número de animais. Mais de 2000 permanecerão no interior do parque natural.

“Estamos perante uma praga” refere Francisco Palma, presidente da Associação de Agricultores do Baixo Alentejo (AABA), salientando que o aumento no número de javalis está a ser exponenciado “pelo crescimento das áreas regadas” típicas do cultivo intensivo.

Nos campos de sequeiro “os bichos não se aguentam muito tempo”. E o instinto leva-os a procurar territórios onde há água e comida como Francisco Palma constatou, há poucas semanas: “Quando ceifava uma seara de milho vi saírem para aí duas dezenas de javalis”. O presidente da AABA salienta um outro pormenor que estará a potenciar o aumento e a concentração de javalis: sobretudo no Alentejo e nas zonas regadas por Alqueva, um número crescente de “zonas de caça foram ocupadas por culturas permanentes (olival, amendoal, vinha) e deixou de haver caça” potenciando desta forma o aumento da população de uma espécie cinegética. 

Com a nova agricultura regada “os javalis passaram a ter uma dieta alimentar melhorada o que lhes permite mais saúde e um aumento das crias. Enquanto há 20 anos uma fêmea alimentava duas crias, agora o seu número sobe para as seis ou sete. Qualquer seara de milho, trigo ou cevada, pode concentrar javalis dada a disponibilidade de alimento”, realça Jacinto Amaro.

O PÚBLICO solicitou esclarecimentos ao Ministério da Agricultura e ao Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas mas até ao fecho da nossa edição não obtivemos resposta.