Nova Zelândia: terrorista tinha armas legais, primeira-ministra promete mudar leis

O atirador, Brenton Tarrant, foi já presente à justiça. Entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto.

Fotogaleria
Brenton Tarrant entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto Reuters/POOL
Fotogaleria
Brenton Tarrant entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto Reuters/POOL
Fotogaleria
Brenton Tarrant entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto Reuters/POOL

A primeira-ministra da Nova Zelândia afirmou esta sexta-feira que o atirador que causou pelo menos 49 mortos ao atacar duas mesquitas de Christchurch tinha licença e adquiriu de forma legal as armas que usou para cometer os crimes.

Em conferência de imprensa, Jacinda Ardern defendeu alterações nas leis do país sobre as armas, apesar de não especificar quais as medidas a tomar.

A primeira-ministra acrescentou que o suspeito, australiano, de 28 anos, viajou pelo mundo e passou períodos esporádicos na Nova Zelândia, referindo que as autoridades estão a investigar se dois outros suspeitos, que foram detidos, estão directamente envolvidos nos crimes.

O atirador, Brenton Tarrant, foi já presente ao juiz Paul Kellar, do tribunal distrital, que lhe leu uma acusação de homicídio. Entrou no tribunal algemado e acompanhado por dois polícias e esteve perante o juiz cerca de um minuto.

Brenton Tarrant vai regressar ao tribunal no dia 5 de abril.

Já depois de o atirador ter abandonado a sala, o juiz referiu que, apesar de existir uma acusação de homicídio, é “razoável assumir que outras se vão seguir”.

O atirador, que abriu fogo nas duas mesquitas, tentou apresentar os seus motivos no manifesto de 74 páginas que divulgou: é um australiano nacionalista branco de 28 anos que odeia imigrantes.

No documento, afirmou que estava zangado por causa dos atentados na Europa que foram perpetrados por muçulmanos e que queria vingar-se, queria causar medo.
Pelo menos 49 pessoas morreram e mais de 40 ficaram feridas nas duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

Os ataques tiveram início às 13h40 (00h40 em Lisboa) nas mesquitas de Al Noor, em Hagley Park, e de Linwood Masjid.

Christchurch, com cerca de 376.700 habitantes, é a maior cidade da Ilha Sul da Nova Zelândia e a terceira maior cidade do país, localizada na costa leste da ilha e a norte da península de Banks. É a capital da região de Canterbury.

Brenton Tarrant reivindicou a responsabilidade pelos disparos e transmitiu em directo na Internet o momento do ataque.

Sugerir correcção