Um FC Porto a “cozinhar” o “prato” de assinatura

FC Porto e Marítimo defrontam-se neste sábado, no Dragão, em jogo da ronda 26 da I Liga. Prevê-se “avalanche” ofensiva e uma “receita” já habitual.

Danilo e Fabrício no último duelo entre as duas equipas.
Foto
Danilo e Fabrício no último duelo entre as duas equipas. LUSA/GREGORIO CUNHA

Apenas 18 minutos de jogo, pontapé de canto. FC Porto 1, Feirense 0. 35 minutos de jogo, pontapé de canto. FC Porto 2, Feirense 0. Foi assim que os “dragões” definiram o último jogo, frente ao Feirense, “cozinhando” um “prato” já habitual: a efectividade das bolas paradas. Neste sábado, frente ao Marítimo (20h30, SP-TV1), a “receita” a preparar por Sérgio Conceição poderá ser a mesma: o FC Porto é a equipa que mais aproveita as bolas paradas e os duelos aéreos, na I Liga, enquanto o Marítimo surge numa posição tímida em matéria de jogo nas alturas e nem deverá ter em campo Zainadine, o único jogador insular que surge no top global de força aérea.

Ainda em matéria estatística, é fácil prever que o jogo, no Dragão, deverá trazer muita bola junto da baliza de Charles. Os “dragões”, frescos após uma semana sem Europa, quererão colocar em prática o estatuto de equipa mais rematadora e a segunda mais goleadora da Liga, subjugando um Marítimo parco em golos marcados (segundo pior ataque) e, sobretudo, parco em atrevimento: os insulares, para além de serem a segunda equipa que mais “tiros” concede aos adversários, são a terceira que mais tempo de jogo passa no seu próprio meio-campo.

A contrariar os números vem o momento recente. A equipa de Petit, apesar de não vencer o FC Porto há mais de quatro anos, vem de duas vitórias e um empate nos últimos quatros jogos realizados e, fora de casa, soma três triunfos nas últimas cinco partidas. Mais: há a motivação de, em caso de vitória, subir ao top-10 da Liga.

Para isso, Petit poderá contar com um “gigante adormecido”. Joel Tagueu, depois de uma excelente temporada 2017/18, não tem estado, nesta época, com o mesmo fulgor. Já depois de ter perdido a titularidade, o possante avançado camaronês bisou, na última partida, dando o triunfo frente ao Moreirense. Por outro lado, o técnico – que voltou a não fazer a antevisão da partida – terá algumas “dores de cabeça”, já que Vukovic, Joel, Edgar Costa, Jean Cléber, Jorge Correa e Rodrigo Pinho estão em risco de exclusão. Caso vejam amarelo frente ao FC Porto, ficarão fora do importante derby frente ao Nacional, na jornada 27.

Na equipa portista, Sérgio Conceição, que já perdeu uma vez com Petit, num Boavista-Sp. Braga, continuará a contar com Éder Militão, apesar da confirmação da saída do brasileiro para o Real Madrid. Na antevisão da partida, o treinador deixou um aviso ao defesa brasileiro – que deverá voltar a ser utilizado como lateral –, garantindo que “Militão pode pensar noutras coisas a partir do final da época”, e puxando para si próprio liberdade de decisão: “É uma situação pública e que não vai mudar nada, nem que Militão custasse 500 milhões de euros. Não muda nada (…) quando o Militão não jogar, não joga. Quando jogar a lateral, joga a lateral. Quando jogar a central, joga a central. Quando tiver de ficar na bancada, fica. Mas isso depende zero do Real Madrid, que fique já claro.”

PÚBLICO -
Aumentar