“Se os políticos não ouvirem, os jovens vão encontrar outras formas de serem ouvidos”

Das decisões de alto nível ao impacto no nosso quotidiano, neste programa falamos sobre a Europa que Conta, no âmbito da série especial do PÚBLICO que procura saber como as decisões tomadas em Estrasburgo e Bruxelas têm impacto na vida diária dos cidadãos europeus.

Esta semana, exploramos o que se ensina sobre a União Europeia nas escolas portuguesas. A História e os valores europeus são visíveis nos currículos? Aprender mais sobre as instituições pode ser uma forma de estimular a participação cívica desta geração de “nativos europeus”?

Quem responde é Isabel Menezes, professora da Faculdade de Psicologia da Universidade do Porto, que explica que a escola pode ser um lugar onde os jovens aprendem a participar activamente, mas é preciso haver respostas de quem está no poder. A investigadora coordenou a equipa portuguesa no projecto Catch-Eyou, que se dedicou, nos últimos três anos, a compreender os factores que influenciam as perspectivas sobre a União Europeia de jovens de seis países — Portugal, Itália, República Checa, Alemanha, Suécia e Estónia — e as atitudes dos mais novos enquanto cidadãos europeus.

Na página especial A Europa que conta, leia ainda as reportagens de Liliana Borges e Carolina Pescada em Florença, onde contam os segredos dos Arquivos Históricos da União Europeia, visitam o Instituto Universitário Europeu — instituição académica financiada pela União Europeia, criada em 1976 —​ e conversam com Miguel Poiares Maduro, que actualmente lidera a Escola de Governação Transnacional.

Na rubrica Eurodeputado da semana, fomos ainda perguntar ao eurodeputado Pedro Silva Pereira, eleito pelo Partido Socialista, o que fez na última semana.

Este programa teve o apoio do Parlamento Europeu.