António Pedro Santos/Lusa
Foto
António Pedro Santos/Lusa

Greve Climática Estudantil: é “a mais justa das causas”, diz ministro do Ambiente

João Pedro Matos Fernandes diz que os estudantes “não precisam de ter dúvidas” que o Governo está a agir no sentido de termos um planeta mais sustentável. E apela para que a acção de hoje tenha consequências.

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, considera que a manifestação dos estudantes pelo clima “é a mais justa das causas” e garante que Portugal “vai fazer o seu trabalho”.

Em declarações ao PÚBLICO, Matos Fernandes ressalva que não vai pronunciar-se sobre a greve estudantil – “quanto a isso não vou dizer se fazem bem ou não”, afirma –, mas diz não ter dúvidas em relação à pertinência de os estudantes fazerem ouvir a sua voz pelo planeta. “Esta é a mais justa das causas pelas quais os nossos estudantes se podem manifestar. Portugal vai fazer o seu trabalho e vai fazer o seu trabalho criando empregos e riqueza, mas esta é uma causa mundial”, disse.

O ministro diz que os estudantes “não precisam de ter dúvidas” que o Governo está a agir no sentido de termos um planeta mais sustentável e apela para que a acção de hoje tenha consequências. “Fomos o primeiro país a dizer que queríamos ser neutros em carbono e a última coisa que fizemos foi ficar parados”, disse, acrescentando: “Há uma tripla dimensão no protesto de hoje. Por um lado, alertar para o problema, o que está a ser feito. Espero que isto se associe a uma mudança de comportamento individual, por parte de quem hoje se está a manifestar. Que daqui saia um compromisso consigo próprios. E sendo esta uma causa, não da próxima, mas desta geração, espero que os estudantes influenciem os que lhe estão próximos, para que tenham comportamentos mais sustentáveis”, refere o ministro, lembrando que “todos têm de contribuir”. Esta terça-feira, 12 de Março, Matos Fernandes recebeu os organizadores da greve em Portugal.

Acabado de regressar de Nairobi, no Quénia, onde participou na 4.ª Assembleia das Nações Unidas para o Ambiente do Programa da Nações Unidas para o Ambiente, Matos Fernandes diz que os estudantes não estão sozinhos na sua preocupação pelo futuro do planeta, já que dados de um estudo do Banco Europeu de Investimento (BEI), do ano passado, apontavam os portugueses como os cidadãos da União Europeia mais preocupados com as alterações climáticas. “80% dos inquiridos [portugueses] diziam estar preocupados com as alterações climáticas”, afirmou o ministro.