André Ventura “contorna” Constitucional e vai ser cabeça de lista às europeias

Aproveitando o PPM e o PPV como “barrigas de aluguer”, o Chega vai de partido a nome de coligação e não está preocupado com o Tribunal Constitucional.

Foto
Mário Lopes Pereira

Com o nome de “Coligação Chega”, André Ventura reuniu dois partidos já formados – o Partido Popular Monárquico (PPM) e Partido Cidadania e Democracia Cristã (PPV) –  e outros dois em constituição (Democracia 21 e Chega) e vai ser cabeça de lista às eleições europeias.

Esta coligação contorna todas as decisões do Tribunal Constitucional, sendo já dado como certo que será Ventura a encabeçar a lista, mesmo que os juízes do Palácio Ratton não aprovem o partido a tempo de concorrer às eleições europeias.

Ao PÚBLICO, André Ventura diz que a oficialização do Chega “não passou para segundo plano” e que já “existem assinaturas suficientes” para que o processo continue no Tribunal Constitucional, isto depois de terem sido detectadas várias irregularidades entre os signatários, nomeadamente pela presença de agentes policiais e menores​. Esta coligação avança assim por “receio” de que a legalização “não fosse concluída a tempo”.

O cabeça de lista da Coligação Chega não aponta grandes objectivos para estas europeias, mas já tem de olho as legislativas de Outubro: “o nosso grande objectivo é marcar presença no Parlamento nacional”. Apesar disso ainda não é capaz de confirmar se a coligação “com enorme potencial” se vai repetir ou se existe apenas como solução temporária.

A coligação apresenta-se como um "bloco de direita” com “ideias de ruptura", prometendo para esta quinta-feira a apresentação dos nomes que vão constituir a lista “anti-sistema, anti-ideologia de género e anti-marxismo cultural”.

O líder do Partido Cidadania e Democracia Cristã (PCDC), Manuel Matias, já tinha dito ao PÚBLICO que estava em formação aquilo a que chamou “grande frente de centro-direita em Portugal”.

A questão da coligação já provocou mal-estar no PPM. Aline Hall de Beuvink, primeira vice-presidente do partido, enviou um comunicado às redacções no qual se lê que foi com “profunda tristeza” que tomou conhecimento da notícia, através da comunicação social. “Sobre esta matéria importa esclarecer que nunca o assunto desta coligação ou futuras coligações entre o PPM e partidos terceiros foi debatido, discutido e/ou analisado entre os membros da actual direcção, informalmente ou nas instâncias internas do partido”, acrescentou.

Aline adianta que não se revê na sua representação do PPM para estas eleições europeias. “Não acredito que esta iniciativa valorize os ideais monárquicos preconizados pelos fundadores do partido nem que contribua para o desenvolvimento da participação de cidadãos na democracia portuguesa”.

As eleições europeias estão marcadas para 26 de Maio. Os partidos e coligações que desejem concorrer têm de apresentar listas até 16 de Abril.

* Notícia actualizada às 18h50 com a posição da vice-presidente do PPM.