No Ponto: sardinhas doces, Trancoso

O doce da semana talvez tenha origem conventual, é incerto. Certo, certo, é que tem ovos moles. E chocolate.

Foto

Segundo testemunhos vivos, como o da dona Maria Rosa Andrade, a receita da sardinha doce de Trancoso tem origem num convento de Santa Clara que ali havia. É muito provável, embora seja difícil saber exactamente como a receita nos terá chegado.

Há também o facto de ser um doce com chocolate, o que é curioso, pois na doçaria conventual o chocolate é praticamente inexistente. Terá sido um acrescento tardio?

PÚBLICO -
PÚBLICO -
PÚBLICO -
Fotogaleria

Desde 2010, a Confraria das Sardinhas Doces de Trancoso protege e divulga este belo docinho. Trata-se de uma massa tenra que envolve ovos moles, feitos com gemas, açúcar e amêndoa. Vai a fritar e depois mergulha-se cada sardinha em chocolate a ferver. O resultado pode não parecer uma sardinha, talvez mais uma trouxa.

Com efeito, o nome deste doce conventual suscita-nos outra questão. Porquê sardinhas, para mais em Trancoso, que fica bem no interior do país? Uma coisa é certa: são doces e muito, muito saborosas.

A Doçaria Portuguesa

Cristina Castro criou o projecto No Ponto para registar e dar a conhecer os doces do país. Tem vindo a publicar a colecção A Doçaria Portuguesa, “os mais completos livros sobre a história e actualidade dos doces de Portugal”. A investigação para este trabalho levou a autora a viajar por todos os concelhos em busca de especialidades doceiras. A partir da oportunidade de ver como se faz, de falar com quem produz, de conhecer vidas, histórias e tradições associadas à doçaria, surgiram os vídeos que desvendam um pouco de cada doce. Regularmente, a Fugas revela um vídeo novo sobre um doce diferente.